Bolsas

Câmbio

Presidente do conselho do Starbucks critica Trump e polarização

Craig Giammona

(Bloomberg) -- Howard Schultz está parecendo candidato político ao falar.

De saída da presidência do conselho do Starbucks -- após envolver a rede de cafeterias em questões sociais espinhosas e fazer críticas nada veladas a Donald Trump durante a campanha eleitoral de 2016 --, ele delineou uma visão centrista para os EUA durante uma aparição na televisão, nesta terça-feira, aumentando a especulação de que avaliará uma candidatura à Casa Branca em 2020.

O corte de impostos do governo Trump foi "imprudente" se considerada a dívida nacional cada vez maior, disse na CNBC, atacando ao mesmo tempo o "comportamento virulento" da Casa Branca. Schultz externou preocupações a respeito da batalha comercial que está sendo criada com a China e defendeu uma abordagem livre de ideologias para resolver os problemas enfrentados pelos EUA.

"Precisamos agir para recuperar a esperança do país e a nossa postura perante o mundo", disse Schultz, em entrevista à CNBC. "Temos que deixar a ideologia de lado e fazer o que for melhor para o povo americano."

Schultz, 64, anunciou na noite de segunda-feira que deixará o Starbucks neste mês, gerando a especulação de que está avaliando uma carreira política. No comunicado de anúncio de sua saída, Schultz disse que ele está "analisando uma série de opções para mim, da filantropia ao serviço público, mas ainda estou longe de saber o que o futuro me reserva".

Schultz, que preferiu não "cravar" uma possível candidatura política, disse que os distúrbios partidários que estão dividindo o país são uma ameaça séria. Em meio a críticas ao governo Trump e à divisão que tomou conta da política americana, Schultz lamentou também que "alguns democratas" tenham se inclinado tanto para a esquerda. Do ponto de vista dele, problemas difíceis como a reforma imigratória, o controle de armas e os investimentos em programas como Medicare e Medicaid precisam ser corrigidos com foco centrista nos problemas domésticos.

"A questão não é a guerra comercial com a China, nem a construção de um muro, e sim colocar nossa casa em ordem", disse.

(Atualizações com comentários adicionais da entrevista na televisão.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos