ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Aposta de US$ 45 mi na turbulência em papéis do Tesouro dos EUA

Katherine Greifeld e Edward Bolingbroke

13/06/2018 13h41

(Bloomberg) -- Investidores apostam que o verão no Hemisfério Norte trará volatilidade o suficiente aos mercados financeiros para embalar a valorização dos papéis do Tesouro americano.

É esta uma maneira de interpretar uma posição enorme tomada no mercado de opções na segunda-feira. Foram comprados quase 100.000 contratos com opção de resgate envolvendo o spread de futuros de títulos do Tesouro com prazo de 10 anos, por um prêmio de US$ 45 milhões. O dado vem dos registros de posições em aberto da Bolsa Mercantil de Chicago (CME), que também mostram que se trata de uma posição nova.

Menos de um mês após o rendimento do papel de 10 anos ter ultrapassado a barreira de 3 por cento pela primeira vez em quase sete anos, esses contratos representam uma ousada aposta otimista de que o rendimento cairá para cerca de 2,6 por cento antes do vencimento dos contratos, em 24 de agosto. O lucro potencial com essa operação chega a US$ 155 milhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A vigência da aposta cobre vários meses de potencial turbulência nos mercados financeiros, em vista da escalada das tensões comerciais, de importantes reuniões de bancos centrais e da aceleração da inflação nos EUA. A transação também pode ser hedge para uma posição vendida existente e não uma aposta direta na queda dos rendimentos. De todo modo, sinaliza que os próximos meses podem ser tumultuados para o mercado de dívida pública dos EUA ? que movimenta US$ 14 trilhões ?, com perspectiva de corrida aos papéis do Tesouro em busca de proteção.

O posicionamento em opções contrasta com a postura de fundos de hedge e outros grandes especuladores, que têm quantidade quase recorde de posições vendidas em futuros de títulos do Tesouro com prazo de 10 anos.

No entanto, na terça-feira, investidores voltaram a mostrar otimismo, comprando 50.000 contratos com opção de resgate visando queda no rendimento para 2,9 por cento até 27 de julho. Os dados mostram que são posições novas.

Repórteres da matéria original: Katherine Greifeld em N York, kgreifeld@bloomberg.net;Edward Bolingbroke em N York, ebolingbrok1@bloomberg.net

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia