PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fundo líder vê aprofundamento das perdas em mercados emergentes

Lilian Karunungan

19/07/2018 14h35

(Bloomberg) -- Mais estrategistas e investidores preveem que os mercados emergentes vão se recuperar. Na contramão, o gestor de um dos fundos de renda fixa de melhor desempenho na categoria espera que as perdas se ampliem.

"Sentimos que o posicionamento dos investidores com dinheiro de verdade ainda não diminuiu de modo substancial e achamos que o aperto das condições monetárias globais vai continuar", afirmou Guillermo Osses, estrategista-chefe para dívidas de mercados emergentes da Man GLG, em entrevista por email. O gestor é responsável junto com Phil Yuhn pelo American Beacon GLG Total Return Fund, de US$ 726 milhões. Ele se declara "bastante pessimista" em relação a ativos de nações em desenvolvimento desde meados de 2017.

Mas com o aprofundamento das perdas, títulos da dívida externa de países como México e Indonésia podem oferecer oportunidades de compra, segundo Osses, porque algumas gestoras podem ser forçadas a liquidar posições devido a resgates.

A opinião de Osses vai de encontro com a visão apresentada por instituições como Investec Asset Management e Credit Suisse Group, que consideram as dívidas de mercados emergentes atraentes após o período de quedas porque o crescimento da economia global permanece saudável. As previsões otimistas vêm aparecendo após um índice Bloomberg-Barclays de títulos em moeda local de países emergentes registrar o pior trimestre desde 2016, diante do aperto da liquidez, valorização do dólar e agravamento da tensão comercial.

De Nova York, Osses compartilhou mais opiniões sobre essa classe de ativos, resumidas abaixo. O fundo administrado pela Man GLG (uma divisão da Man Group, a maior firma de fundos de hedge com capital aberto) gerou retorno de 1,9 por cento neste ano. É o melhor desempenho entre 238 fundos voltados para dívidas de mercados emergentes, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. Fundos similares tiveram perdas que variam de 0,4 por cento a mais de 16 por cento.

Qual é sua visão sobre os mercados emergentes?

* Especificamente quanto aos mercados emergentes, achamos os preços dos créditos muito esticados e não consideramos as taxas de câmbio atraentes o suficiente para permitir que essas economias absorvam a potencial desaceleração dos fluxos de capital.

Quais sinais você precisa ver antes de voltar a comprar?

* As perdas podem continuar nos próximos meses.* Os sinais de recuperação nas dívidas de mercados emergentes podem vir da diminuição da exposição das gestoras de recursos nos mercados de fronteira sem liquidez e com baixa qualidade, nos mercados de títulos corporativos de alto rendimento e de produtos denominados em moeda local.

Quais são os segmentos mais saudáveis do mercado de dívidas de nações emergentes?

* Pode haver oportunidades de compra em títulos denominados em moeda forte de países que têm balanço patrimonial e espaço para medidas governamentais que permitam navegar um aperto das condições financeiras globais.

* Ele enxerga oportunidades de investimento em ativos do México, Chile, Peru, Colômbia, Indonésia, China, Filipinas, Polônia, Hungria, Romênia, Croácia e Sérvia.

O que você espera para o mercado de títulos do Tesouro americano e qual seria o impacto sobre os emergentes?

* A preocupação maior não é o quanto o rendimento do título do Tesouro com prazo de 10 anos pode subir, mas sim o impacto da aceleração das emissões desses papéis, que podem reduzir a demanda por instrumentos de renda fixa de fora dos EUA e acabar restringindo as condições financeiras.

* Se algo "quebrar" no sistema financeiro ? como ocorreu em outros ciclos de aperto pelo banco central dos EUA nas últimas duas décadas ? e ocorrer ampliação substancial dos spreads e barateamento das ações, isso pode resultar em uma situação perversa, na qual os rendimentos dos papéis de longo prazo caem em um movimento de fuga para qualidade e os ativos de mercados emergentes ainda assim se depreciam.