ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Nestlé busca novo superalimento e physalis pede passagem

Corinne Gretler

05/09/2018 13h08

(Bloomberg) -- A moda da quinoa é coisa do ano passado. A nova candidata a superalimento da Nestlé é a physalis, também conhecida como goldenberry.

A maior empresa de alimentos do mundo poderia adicionar a fruta andina, parente próxima do tomate e de sabor agridoce, a uma série de produtos após a aquisição de uma fabricante sul-americana de lanches a base desse ingrediente.

"Uma das principais razões para nossa parceria com a Nestlé foi que vimos o entusiasmo da Nestlé para começar a usar a physalis como ingrediente dos produtos dela, desde alimentos para bebês até barras de cereais e chocolates", disse David Bermeo, CEO da Terrafertil, em entrevista.

As frutas amarelas do tamanho de uma bolinha de gude, que são relativamente desconhecidas fora da América Latina, podem ser adicionadas a produtos assados, saladas e cereais, e também podem ser consumidas como frutas frescas ou secas. Elas são ricas em antioxidantes, que, segundo seus defensores, podem ajudar a prevenir doenças crônicas, incluindo o câncer.

A fabricante dos alimentos para bebês Gerber e das barras de chocolate KitKat vem adicionando opções mais saudáveis para atrair os consumidores que estão evitando alimentos açucarados e processados. A empresa reformulou sua linha de alimentos congelados, adquiriu a fabricante de burritos vegetarianos Sweet Earth e está ampliando o portfólio baseado em vegetais.

A Nestlé adquiriu uma participação de 60 por cento na Terrafertil, que é dona da marca Nature's Heart e é a maior compradora de physalis do mundo. O negócio foi fechado na terça-feira.

"Atualmente, os consumidores procuram cada vez mais alimentos orgânicos e naturais ricos em nutrientes", disse Laurent Freixe, CEO da Nestlé para as Américas. "Estamos ansiosos para explorar com a Terrafertil o potencial de seus produtos."

A América Latina é conhecida por ter apresentado ao mundo uma infinidade de superalimentos, como a quinoa, as sementes de chia, o amaranto e o açaí.

"É junto com a Nestlé que podemos começar a promover este produto, que tem enormes propriedades nutricionais e é praticamente desconhecido", disse Bermeo.

Mais Economia