ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Uber planeja verificar carros ociosos como medida de segurança

Julie Verhage e Eric Newcomer

05/09/2018 13h36

(Bloomberg) -- A Uber planeja verificar se está tudo bem com os motoristas que ficam parados por muito tempo.

O serviço é um dos vários recursos novos anunciados pela Uber Technologies nesta quarta-feira para tornar as viagens mais seguras para passageiros e motoristas. Haverá também um botão de emergência para motoristas, comandos ativados por voz e endereços de coleta anônimos -- usando ruas transversais, por exemplo.

Houve catástrofes de todos os tipos -- batidas, assaltos, estupros e até assassinatos -- em veículos de motoristas da Uber. A empresa com sede em São Francisco está tentando usar seu conhecimento técnico para reduzir a probabilidade de que ocorram incidentes ruins.

"A segurança deve ser nossa prioridade número um", disse o CEO Dara Khosrowshahi, em uma entrevista coletiva em Nova York. "Queremos que vocês saibam que quando entram no carro, sejam passageiros ou motoristas, a Uber está com vocês."

Os usuários podem esperar a chegada dos novos recursos a seus aplicativos durante os próximos meses, e, segundo a empresa, mais novidades virão pela frente.

A Uber e sua principal rival nos EUA, a Lyft, correm para tornar as plataformas mais seguras. Em maio, as duas empresas se comprometeram a divulgar dados sobre incidentes de segurança em suas plataformas. Em entrevista, no mês passado, Khosrowshahi reiterou o compromisso de divulgar essas informações, incluindo estatísticas sobre agressões sexuais e batidas, em algum momento do ano que vem.

As empresas de transporte particular enfrentam há tempos questionamentos a respeito da minúcia na avaliação dos motoristas. Tanto a Uber quanto a Lyft resistem a efetuar verificações de antecedentes por meio de impressão digital, embora cada vez mais utilizem tecnologias sofisticadas em vez da supervisão direta por seres humanos para monitorar seus motoristas.

Repórteres da matéria original: Julie Verhage em Nova York, jverhage2@bloomberg.net;Eric Newcomer em San Francisco, enewcomer@bloomberg.net

Mais Economia