ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Perdue avalia opções para saciar apetite por proteína vegetal

Deena Shanker e Lydia Mulvany

06/09/2018 15h28

(Bloomberg) -- É um sinal dos tempos o fato de a Perdue Farms, de 98 anos, estar avaliando vender produtos com proteína sem origem animal junto com sua característica oferta de frangos e perus.

"Nossa visão é ser o nome mais confiável do ramo de proteína premium", disse o presidente do conselho da empresa, Jim Perdue. "Essa visão não fala em proteína premium de carne, diz apenas proteína premium. Os consumidores vão por esse caminho."

A empresa de capital fechado está avaliando uma estratégia "que inclua todas as opções", considerando startups menores, opções puramente veganas e aquelas que combinam carne, proteínas à base de plantas e vegetais, disse Perdue. Ele preferiu não revelar possíveis alvos, mas disse que a empresa estuda diversas opções.

"É possível fazer por conta própria", disse o presidente do conselho, cujo avô fundou a empresa em 1920. "É possível investir ou adquirir a experiência e o capital intelectual."

As alternativas à carne, sejam elas feitas de vegetais ou de carne sem origem animal produzida em laboratório, surgiram como uma das maiores tendências alimentares deste momento em que os consumidores estão tentando reduzir o consumo de carne. As vendas de proteínas alternativas são muito inferiores ao mercado de carne vermelha e de frango, de US$ 49 bilhões, mas crescerão 17 por cento ao ano, para US$ 863 milhões em 2021, estima o CoBank.

A Cargill e a Tyson Foods estão entre os investidores de empresas de agricultura celular, como a Memphis Meats, e fabricantes de hambúrgueres de origem vegetal, como a Beyond Meat e a Impossible Foods, têm atraído enormes recursos de capital de risco de gente como Bill Gates e Leonardo DiCaprio.

A Perdue por enquanto não planeja se unir a Cargill e Tyson no ramo de agricultura celular. "Isso é muito, muito, muito incipiente e poderia ser uma opção em algum momento do futuro", disse. "Precisaríamos fazer muitas pesquisas para saber a opinião dos consumidores a respeito."

Repórteres da matéria original: Deena Shanker em New York, dshanker@bloomberg.net;Lydia Mulvany em Chicago, lmulvany2@bloomberg.net

Mais Economia