ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Perdas nas bolsas emergentes levam a adiamento de IPOs na Ásia

Ben Scent e George Smith Alexander

30/10/2018 15h05

(Bloomberg) -- O agravamento das perdas nas bolsas de mercados emergentes convenceu magnatas da Índia até Cingapura a adiar aberturas de capital.

A Bharti Airtel, do bilionário Sunil Mittal, postergou em aproximadamente um semestre a listagem de sua operação de telefonia celular africana, avaliada em US$ 8 bilhões, de acordo com pessoas a par do assunto. A empresa pretendia fazer uma oferta inicial de ações (initial public offering ou IPO) em Londres em março, segundo as fontes. Já um representante da Bharti afirmou que os preparativos estão correndo "conforme planejado e não há mudança".

Na semana passada, Ron Sim, um empreendedor de Cingapura, confirmou o adiamento de planos de listar novamente em Hong Kong as ações da proprietária da Osim, a maior fabricante de cadeiras de massagem da Ásia. A STX Entertainment ? estúdio de cinema dos EUA que tem entre seus investidores a Tencent Holdings, do magnata chinês de tecnologia Pony Ma ? também engavetou o plano de listar papéis em Hong Kong.

A volatilidade ameaça o que tem sido um ano excepcional para listagens fora da Ásia. O ritmo de captação é o maior em oito anos, segundo dados compilados pela Bloomberg. Companhias asiáticas lançaram US$ 81,3 bilhões em ações neste ano, comparado a US$ 71,6 bilhões no mesmo período de 2017.

Ocorreram na Ásia algumas das maiores ofertas de ações neste ano ? e também alguns dos fracassos mais espetaculares. Entre as cinco grandes IPOs de pior desempenho no mundo todo, três são da Ásia, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

A ação da construtora de imóveis de luxo Vinhomes JSC, do Vietnã, desabou 32 por cento desde a colocação de US$ 1,4 bilhão, em maio. No caso da fabricante de smartphones Xiaomi, que levantou US$ 5,4 bilhões com o lançamento de ações, a queda foi de 31 por cento desde que as negociações começaram, em julho.

Outras operações também são afetadas pela turbulência.

A Tencent pausou o plano de abrir o capital de sua divisão de música online nos EUA, de acordo com uma pessoa com conhecimento do assunto. A incorporadora indiana Lodha Developers também adiou a IPO na qual esperava levantar aproximadamente 55 bilhões de rúpias (US$ 749 milhões), segundo fontes.

--Com a colaboração de Manuel Baigorri, Santosh Kumar e Crystal Tse.

Repórteres da matéria original: Ben Scent em Hong Kong, bscent@bloomberg.net;George Smith Alexander em Mumbai, galexander11@bloomberg.net

Mais Economia