ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Alta gradual de juros nos EUA tende a ajudar ativos emergentes

Alexandra Stratton

05/11/2018 12h09

(Bloomberg) -- Os mercados emergentes estão rodeados de ameaças, mas o banco central dos EUA não é uma delas.

Embora o Federal Reserve siga na trajetória de elevações de juros, o risco de fuga de capital de nações em desenvolvimento diminuiu, na avaliação de gigantes como Bank of America Merrill Lynch e JPMorgan Chase. A história corrobora essa visão, mostrando que os mercados emergentes resistem ao aperto monetário nos EUA contanto que seja bem comunicado e organizado.

Ativos mais arriscados, como papéis de mercados emergentes, são vulneráveis a saídas de recursos globais em períodos de aperto pelo Fed porque investidores buscam instrumentos mais seguros, como os títulos do Tesouro americano. Foi por isso que, em 2013, os comentários do então presidente da instituição, Ben Bernanke, sobre a retirada de estímulos pelo Fed causou um pânico que desencadeou a onda de vendas conhecida como "taper tantrum".

No entanto, investidores que tiveram essa expectativa ficaram de fora de diversos movimentos de valorização dos ativos emergentes - como em 2006 e 2016, quando esses papéis avançaram mesmo após a alta dos juros nos EUA. A história sugere que uma economia americana robusta é mais importante para a sorte dos países emergentes do que flutuações nas alocações dos fundos.

Isso ficou claro na última sexta-feira, quando o MSCI Emerging Markets Index sustentou ganhos mesmo após dados oficiais mostrarem criação de empregos acima do previsto nos EUA em outubro. Uma economia forte tende a justificar o aperto pelo Fed, mas o dado foi considerado positivo em meio à desaceleração do crescimento global.

E isso não se aplica apenas a ações. Títulos de países emergentes também desafiam o raciocínio tradicional de que seus rendimentos precisam subir em épocas de alta dos rendimentos nos EUA, a fim de manter retorno adicional para atrair investimentos. Desde 2005, isso deixou de acontecer em mais de 15 ocasiões.

A recuperação dos emergentes permanece frágil em vista das tensões comerciais entre EUA e China, recessões em muitos desses países e incertezas políticas. Mas os investidores enxergam pelo menos quatro motivos para não se preocupar com o aperto gradual da política monetária americana:

Riscos embutidos nas cotações

As bolsas de países emergentes já perderam US$ 5,5 trilhões neste ano, enquanto os prêmios de risco dos títulos denominados em dólar subiram cerca de 30 por cento. As cotações já refletem os piores cenários possíveis em termos de altas de juros pelo Fed, guerra comercial entre EUA e China e dólar valorizado, acredita Kathryn Rooney Vera, responsável global por pesquisas da Bulltick Capital Markets.

"Eu não me preocuparia a não ser que o Fed suba os juros mais de quatro vezes" nos próximos 12 meses, disse ela.

Crescimento econômico dos EUA

A cada acréscimo nos juros, o Fed reitera sua confiança na força da economia americana, o que é bom para economias emergentes. Os EUA compram até 17 por cento das exportações de países em desenvolvimento, que ganham um impulso de US$ 1,3 trilhão.

Gradualismo

A economia americana pode estar firme, mas não a ponto de convencer o Fed a acelerar a trajetória de normalização da política monetária. A queda surpreendente nas contratações em setembro e o crescimento econômico altamente dependente dos estoques no terceiro trimestre foram alguns dos dados que reforçaram a expectativa de elevação gradual de juros pelo banco central.

"Do ponto de vista de inflação e mercado de trabalho, não há muito que justifique que as previsões macroeconômicas do Fed estejam atrás da curva", afirmou Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF).

Ativos baratos

Caçadores de pechinchas têm escolhas de sobra nos mercados emergentes ? de ações negociadas nos mesmos múltiplos de quatro anos atrás a títulos que oferecem prêmio 1,5 ponto percentual maior do que no começo do ano, além de moedas próximas das menores cotações em registro.

"Os emergentes estão sendo massacrados", disse Rooney Vera, da Bulltick."Há muito preço fora de lugar no momento e estou empolgada mesmo porque podemos ganhar dinheiro para nossos clientes."

Mais Economia