ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Pessimistas lideram jogo de adivinhação sobre petróleo do Irã

Jessica Summers

05/11/2018 16h20

(Bloomberg) -- Os céticos em relação ao petróleo mostraram que estavam certos em minimizar a importância das sanções ao Irã.

Os fundos de hedge reduziram as apostas no aumento dos preços do petróleo West Texas Intermediate pela oitava semana consecutiva, o maior período de reduções já registrado, mesmo com o início das sanções ao petróleo iraniano. Depois que o temor em relação às sanções impulsionou o petróleo usado como referência ao maior patamar em quatro anos, no início do mês passado, os contratos futuros caíram quase 20 por cento frente aos sinais maiores de que o impacto pode não ser tão ruim assim.

"Os dentes em torno dessas sanções não estão tão afiados quanto o que pode ter sido telegrafado pelo governo em setembro e outubro", disse Chris Kettenmann, estrategista-chefe de energia da Macro Risk Advisors. "A outra parte da história é que os sauditas se apresentariam para preencher esses volumes no quarto trimestre."

Embora ainda não se saiba ao certo quanto petróleo iraniano será retirado do mercado, o secretário de Estado dos EUA, Michael Pompeo, disse na sexta-feira que os EUA concederão autorizações temporárias para que oito países continuem importando petróleo do país do Oriente Médio. E a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) também está sinalizando que está disposta a preencher qualquer possível déficit de oferta -- a produção do grupo atingiu o maior patamar desde 2016 em outubro.

Enquanto isso, a volatilidade do mercado de petróleo disparou, atingindo níveis vistos pela última vez há mais de um ano em um momento em que os investidores tentam estimar as consequências das sanções que entrarão em vigor nesta semana.

"Estamos vendo uma mudança fundamental no mercado, da preocupação com um déficit para, agora, uma preocupação real com um possível excesso de oferta no mercado", disse Andrew Lebow, sócio sênior da Commodity Research Group. "Isso ficou bastante claro nesta semana."

A posição comprada líquida dos fundos de hedge -- a diferença entre as apostas nos preços mais altos e as apostas em uma queda -- no petróleo WTI caiu 5 por cento, para 196.196 futuros e opções, no período de uma semana terminado em 30 de outubro, nível mais baixo desde setembro de 2017, segundo a Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos EUA (CFTC, na sigla em inglês). As apostas compradas caíram 3,7 por cento, enquanto as vendidas atingiram o maior patamar desde o fim do ano passado. O posicionamento total em relação ao WTI está no menor nível desde 2014.

Os temores de crescimento da demanda decorrentes da guerra comercial entre EUA e China também levaram os investidores a evitar ativos de maior risco, como o petróleo.

A produção provavelmente "não cairá muito mais", disse Thomas Finlon, diretor da Energy Analytics Group em Wellington, na Flórida. "O mundo não está inundado de petróleo. Está, talvez, um pouco mais perto do equilíbrio. Estamos a um milhão de milhas de um excesso."

Mais Economia