ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Renato Naigeborin e Jayme Fernandez criam fundo quantitativo

Cristiane Lucchesi e Felipe Marques

06/11/2018 07h00

(Bloomberg) -- Eles se conheceram no início dos anos 2000, competindo por clientes enquanto trabalhavam em diferentes bancos americanos. Agora eles estão unindo forças para criar um novo fundo quantitativo no Brasil.

Renato Naigeborin, ex-diretor de estratégias de trading de ações do Banco Bradesco SA, e Jayme Fernandez, ex-diretor de trading de ações na América Latina do JPMorgan Chase, planejam começar a levantar recursos no primeiro trimestre, principalmente entre os family offices locais e empresas de private banking. Eles já desenvolveram oito modelos próprios usando ferramentas matemáticas e estatísticas para criar programas de software para escolher investimentos.

"A ideia inicial de cada estratégia vem da nossa experiência de mercado", disse Naigeborin, 48, em entrevista em São Paulo. O plano é levantar cerca de R$ 250 milhões de clientes no primeiro ano, disseram Fernandez e Naigeborin.

O nome do fundo, EnterCapital, homenageia Benjamin Graham, que definiu o investidor empreendedor (enterprising investor, em inglês) em seu livro de 1949, "The Intelligent Investor" ("O Investidor Inteligente"). Para Graham, um mentor de Warren Buffett, o que diferencia os investidores defensivos dos empreendedores é a disposição de dedicar tempo e disciplina necessários para investir de forma mais agressiva, com atenção constante e monitoramento.

Inicialmente, o fundo negociará ações, índices de ações e futuros de ações, moedas e taxas de juros nos mercados brasileiros, mas, à medida que crescer, poderá investir em mercados de outras nações em busca de liquidez, disse Fernandez, 43 anos.

"Já estamos testando e nossos modelos funcionam muito bem em mercados de diferentes países, e não apenas na América Latina", disse Fernandez. Os investimentos serão de médio a longo prazo, porque "os modelos mostram sua força" em um período de 12 a 24 meses, disse ele.

Os chamados fundos "quants" usam uma ampla gama de abordagens, desde aproveitar as oportunidades de arbitragem nos mercados de ações até surfar as tendências em preços das moedas. Mas todos eles usam computadores poderosos e algoritmos complexos para implementar estratégias de negociação automatizadas.

Inicialmente, o fundo só se envolverá em negociações quantitativas de baixa frequência, mas poderá entrar na arena da alta frequência no futuro.

"Vou voltar a fazer algo que eu realmente gosto, que é trabalhar com matemática pura", disse Naigeborin, campeão de uma olímpiada de matemática quando criança, primeiro colocado no vestibular da Fuvest, e graduado em engenharia mecânica aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica de São José dos Cidade de Campos, no Estado de São Paulo.

Empregos anterioresNaigeborin deixou o Bradesco em maio para começar a desenvolver o fundo. Ele acabou trabalhando no Bradesco depois de o banco brasileiro adquirir a unidade local da HSBC Holdings Plc, onde foi chefe de negociação de ações para a América Latina. Enquanto esteve no Bradesco, ajudou a criar do zero uma mesa de negociação de derivativos de ações, como fez no Citigroup Inc. no Brasil de 2006 a 2010. Naigeborin também ajudou a fundar a BR Partners em 2009 e construiu um negócio de ações lá.

Ele conheceu Fernandez antes disso, quando estava na Merrill Lynch & Co. e Fernandez era diretor de negociação de derivativos de ações do JPMorgan.

"Nós interagimos muito, tivemos reuniões para discutir mercados e estratégias e participamos de reuniões na bolsa de valores", disse Naigeborin.

"Nós éramos concorrentes, mas com um relacionamento cordial", disse Fernandez, que deixou o JPMorgan, onde trabalhou por 15 anos, em 2015, e desde então administra seu próprio fundo proprietário.

Os fundos quantitativos representam menos de 1 porcento do total da indústria de fundos do Brasil, de cerca de R$ 4,5 trilhões, estimou Fernandez. A indústria de fundos teve entradas líquidas de R$ 71,7 bilhões até setembro, de acordo com a Anbima, a associação de mercados de capitais do país.

Mais Economia