ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Dyson trabalha em combo de purificador de ar e fone: Fontes

Giles Turner e Debby Wu

09/11/2018 15h26

(Bloomberg) -- A Dyson estuda desenvolver um purificador de ar que também funcionaria como fone de ouvido na esperança de explorar a demanda das cidades asiáticas sufocadas pela poluição, disseram pessoas informadas sobre o projeto.

A empresa britânica solicitou registros de patentes para um "purificador de ar de vestir" neste ano, segundo registros do Escritório de Propriedade Intelectual do Reino Unido. O equipamento é, em essência, um purificador de ar, mas o recurso de fone de ouvido pode ser adicionado, disseram duas pessoas. Elas pediram para não serem identificadas porque o projeto é privado.

Purificadores de ar de chão são grandes negócios na Ásia. Existem inclusive algumas versões disponíveis que podem ser usadas ao redor do pescoço. Há um número limitado de equipamentos do tipo listado na Amazon.

Conhecida por seus aspiradores de pó e secadores de mãos, a Dyson vem expandindo sua linha cada vez mais popular de purificadores de ar de chão. Em novembro, a empresa lançou a última versão: um aparelho que combina aquecedor, ventilador e purificador. Mas o mercado de fones de ouvido representaria uma transição para a Dyson porque a colocaria em disputa com o AirPods e o Beats, da Apple, e com aparelhos de última geração de empresas como Bose e Sennheiser.

"A Dyson nunca comenta sobre tecnologias que podemos ou não estar desenvolvendo", disse uma porta-voz da empresa, por e-mail.

A Dyson solicita um grande número de patentes de produtos que podem nunca chegar a ser produzidos em massa. Em 2009, a empresa solicitou patente de um espremedor de alimentos hidráulico que ainda não apareceu como produto final.

Mas o potencial de vender um purificador de vestir aos consumidores das cidades chinesas sufocadas pela poluição poderia servir como grande impulso para o projeto. O presidente da China, Xi Jinping, declarou que a poluição é um dos três problemas mais prementes do governo. A Ásia tem sido fundamental para o rápido crescimento da Dyson nos últimos tempos: a receita subiu 40 por cento, para 3,5 bilhões de libras (US$ 4,6 bilhões) em 2017, ou seja, quase dobrou em dois anos. A Ásia gerou quase três quartos do crescimento da receita da Dyson naquele ano e Xangai é a cidade onde seus purificadores mais vendem.

A empresa de tecnologia britânica também mantém um plano de 2 bilhões de libras para iniciar a produção de carros elétricos. A empresa está trabalhando na transformação de um antigo aeródromo em local de testes de veículos e em outubro anunciou o plano de construir uma fábrica de automóveis em Cingapura.

Repórteres da matéria original: Giles Turner em Londres, gturner35@bloomberg.net;Debby Wu em Taipé, dwu278@bloomberg.net

Mais Economia