ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Eletrificação de carros exige tomadas nas estradas mais remotas

David Stringer e James Thornhill

07/12/2018 13h08

(Bloomberg) -- Em toda a viagem de quatro horas até Coober Pedy, Wiebe Wakker sabia que o inevitável estava próximo. A menos de 24 quilômetros da cidade, um posto avançado do ensolarado Outback australiano que serviu de cenário para os filmes de Mad Max, a bateria de seu carro elétrico acabou.

Wakker, um holandês de 31 anos, guiou o VW Golf azul brilhante para fora da estrada, se lambuzou de protetor solar e mostrou o polegar na esperança de conseguir um reboque. Ele completou o trecho final com o veículo amarrado à traseira de um caminhão que passou.

"Já aconteceu algumas vezes e nunca ninguém disse não", disse Wakker, que forçou os limites de seu carro adaptado movido a bateria em uma viagem pela Austrália que marca o fim de uma turnê patrocinada por 33 países para mostrar a capacidade dos veículos elétricos. "Muitas pessoas chamam isso de ansiedade da autonomia, ou seja, o medo de ficar sem bateria no meio do nada: eu não tenho ansiedade de autonomia, apenas animação com a autonomia."

É provável que poucos motoristas alguma vez percorram um deserto tão vasto quanto o Outback australiano ou tenham o mesmo entusiasmo de Wakker para ficar sem combustível, mas a experiência dele indica um dos maiores desafios enfrentados para a adoção generalizada de veículos elétricos. A ampliação da disponibilidade dos pontos de recarga públicos fora de casa, em centros urbanos ou ao longo de rodovias remotas, será fundamental para eliminar a ansiedade do consumidor ao dirigir por longas distâncias.

A exemplo de muitos países que têm sido mais lentos para oferecer carros elétricos, a Austrália está atrasada em termos de desenvolvimento de redes públicas de recarga, o que torna mais difícil -- e normalmente mais lento --, para os veículos elétricos, o acesso a certas partes de um sistema rodoviário que abrange cerca de 875.000 quilômetros.

Dos cerca de 600.000 pontos públicos de recarga instalados atualmente em todo o mundo, mais da metade está na China -- o maior mercado de veículos elétricos do mundo, segundo a BloombergNEF. Esse domínio é ainda mais acentuado quando considerados os carregadores rápidos de corrente contínua -- equipamentos que são capazes de recarregar baterias de carro completamente em questão de minutos, e não em horas.

Devido aos altos custos dos carregadores rápidos e aos baixos níveis de utilização, o modelo de negócio é desafiador, pelo menos por enquanto. Cada carregador rápido pode custar US$ 45.000 a US$ 60.000 e precisa ser usado oito a 12 vezes por dia para atingir o ponto de equilíbrio -- mais do que a média atual de cinco recargas diárias, segundo um relatório da BNEF de outubro.

Em partes das regiões central e oeste da Austrália, os motoristas de veículos elétricos ainda enfrentam alternativas mais lentas, segundo Harald Murphy, um engenheiro elétrico de 49 anos que no mês passado concluiu um circuito de cerca de 14.520 quilômetros pela Austrália em um Tesla Model X. Conectando-se a tomadas de estilo industrial em pousadas remotas de beira de estrada, ele passava até cinco horas recarregando durante o dia.

Ao longo da costa leste, de maior densidade populacional e onde estão sendo instalados carregadores rápidos, as vantagens foram claras, disse. Com um supercarregador da Tesla, no estado de Nova Gales do Sul, a bateria do carro encheu antes que seu pedido de café e omelete estivesse pronto em uma cafeteria próxima. "Acabei tomando o café da manhã no carro", disse Murphy. "Devo admitir, não consegui conter minha euforia."

--Com a colaboração de Hannah Dormido.

Repórteres da matéria original: David Stringer em Melbourne, dstringer3@bloomberg.net;James Thornhill em Sidnei, jthornhill3@bloomberg.net

Mais Economia