IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Venezuela vai remapear Caribe e tensão com Exxon aumenta: Fontes

Fabiola Zerpa

09/01/2019 13h02

(Bloomberg) -- A Venezuela vai remapear suas prospecções de petróleo e gás no Caribe, uma medida que poderia intensificar ainda mais uma disputa secular de fronteira com a Guiana e ir de encontro ao empreendimento da Exxon Mobil na região, disseram pessoas com conhecimento do plano.

A pesquisa sísmica está prevista para os próximos meses e incluirá uma área ao leste da Venezuela que faz fronteira com a Guiana, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque o plano não é público. Funcionários da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) preferiram não comentar.

A Venezuela reacendeu a velha disputa fronteiriça no mês passado depois de interceptar dois navios que realizavam estudos sísmicos para a Exxon, que se prepara para desenvolver gigantescas reservas de águas profundas no litoral da Guiana. A Venezuela já havia mapeado depósitos de petróleo em seu território offshore anteriormente, mas algumas áreas ainda não foram cartografadas. A nova pesquisa também incluirá áreas que fazem fronteira com ilhas do Caribe, como Granadinas e São Vicente.

"Mais pesquisas estão pendentes para identificar opções comercialmente viáveis para o gás", disse Antero Alvarado, sócio administrativo da consultoria Gas Energy Latin America. "Os estudos anteriores da PDVSA ignoraram a identificação de depósitos de gás porque o foco estava sempre no petróleo."

Após um encontro no mês passado com a marinha venezuelana, um dos dois navios contratados pela Exxon realizará pesquisas sísmicas em águas guianenses distantes da fronteira e o outro não será mais usado, informou a empresa com sede em Irving, Texas.

A Guiana, que conta com o apoio dos EUA na reivindicação de propriedade sobre as águas, afirmou que a Venezuela violou a lei internacional. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse que o território pertence a seu país e prometeu defendê-lo "a qualquer custo".

Maduro emitiu um decreto uma semana depois da interceptação para declarar que a plataforma continental da Venezuela está aberta à exploração de petróleo, embora nenhum plano de investimento tenha sido anunciado para a área.

A divisão offshore da PDVSA produz principalmente gás da costa ocidental em parceria com a italiana ENI. Também tem vários projetos inativos de petróleo e gás no leste, perto de Trinidad e Tobago e da Guiana. Três deles estão em parceria com a norueguesa Equinor, com a Chevron e com a francesa Total.

Economia