Topo

Jovens preferem carne de porco fatiada do que lombo nos EUA

Lydia Mulvany

10/01/2019 13h03

(Bloomberg) -- Os millennials estão prestes a transformar o lombo de porco da vovó em coisa do passado.

Os americanos de hoje são mais ocupados e moram em residências com menos bocas para alimentar. Sendo assim, as refeições estão mudando, e no que diz respeito à indústria da carne de porco, o significado disso é que no supermercado falta carne de porco separada em porções, fatiada e temperada para fritar de última hora no jantar.

A indústria da carne mostra mais lentidão em relação a outros alimentos e marcas em termos de adaptação às novas tendências, disse Jarrod Sutton, vice-presidente de marketing doméstico do National Pork Board. Para recuperar o atraso, a organização, que faz pesquisas e promove esse tipo de carne, divulgou na quinta-feira o primeiro de uma série de relatórios que oferecem uma visão abrangente sobre a alimentação dos consumidores americanos. A primeira parte é sobre o jantar.

As empresas de commodities têm tido dificuldades para ampliar os lucros nos últimos anos porque, devido à mudança no paladar e ao estilo de vida acelerado, os consumidores preferem itens especiais e refeições que podem ser preparadas facilmente. O fenômeno levou produtoras de carne como a Smithfield Food e a Tyson Foods a se concentrarem em produtos de valor agregado, como presunto fatiado e costeletas de porco temperadas.

Porções menores

A carne de porco se transformará cada vez mais em um dos ingredientes de um prato, e não no prato principal acompanhado de legumes e carboidratos, disse Sutton. Os consumidores querem comprar porções menores prontas para cozinhar e com instruções fáceis de preparação, segundo o estudo do grupo. Os sabores internacionais também estão em voga.

O relatório afirmou que os americanos costumam jantar de nove maneiras diferentes, que vão de um jantar solitário a uma celebração com a família completa. O mais comum, porém, são pessoas que precisam alimentar a família rapidamente, que compreende cerca de 13 por cento dos jantares. Para atrair os consumidores, as refeições precisam ser rápidas, simples e fáceis de limpar.

O bacon vem dando certo, disse Sutton. Trata-se de um ingrediente versátil vendido em vários tamanhos, tipos e sabores. Os americanos gastaram US$ 3,8 bilhões em bacon por meio de vendas no varejo de janeiro a novembro de 2018, um aumento de 4,3 por cento em relação ao ano anterior, segundo o National Pork Board, citando pesquisa da Nielsen.

Para fazer seu tradicional lombo de porco para o jantar, "a vovó tinha que ter muito tempo disponível", disse Sutton. "O consumidor atual, que tem menos tempo, está em busca de soluções fáceis."

--Com a colaboração de Leslie Patton.

Mais Economia