IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Shell pode aumentar M&A para se tornar maior empresa de energia

Kelly Gilblom

29/03/2019 11h17

(Bloomberg) -- A Royal Dutch Shell pode aumentar as aquisições de geradores de eletricidade para alcançar sua meta de se tornar a maior companhia de energia até 2030, segundo análise da Sanford C Bernstein.

Para se tornar o maior fornecedor de eletricidade de baixo carbono, a empresa deve produzir 214 terawatts-hora de energia limpa a cada ano até 2035, mostra a análise. Isso é 11 por cento a mais do que gerado no ano passado pelo Egito, país de quase 100 milhões de pessoas, de acordo com dados da BP.

A Shell pode conseguir isso por meio do crescimento orgânico, gerando, no final, 61 gigawatts de capacidade de energia, disse Bernstein. No entanto, provavelmente vai querer se mover ainda mais rápido e expandir as aquisições de geradores de eletricidade, estratégia que tem dividido os investidores.

"A Shell quer que a eletricidade seja o quarto pilar de seus negócios, juntamente com petróleo, gás e produtos químicos", analistas incluindo Oswald Clint disseram no relatório. "Da mesma forma que eles dominam a cadeia de valor do petróleo e do gás, eles querem fazer o mesmo com eletricidade."

A empresa fez um movimento agressivo no mercado de energia no varejo do Reino Unido este mês, oferecendo uma das tarifas mais baratas disponíveis e fornecendo a seus 700.000 clientes energia exclusivamente renovável.

Corte de carbono

Um dos principais desafios para o plano da empresa de se tornar a maior companhia de energia do mundo é o fato de que a Shell se comprometeu a cortar sua pegada de carbono pela metade até 2050. Isso significa que a maior parte da capacidade adicionada ao seu portfólio deve vir da energia solar e eólica.

Hoje, a Shell administra 10 gigawatts de eletricidade nos EUA e apenas um terço dessa energia vem de fontes renováveis. Para atingir a meta de 61 gigawatts, calculada pela Bernstein, a empresa precisa adicionar 3 gigawatts de capacidade limpa a cada ano.

Isso é acessível dentro do atual orçamento de "novas energias" da Shell, de US$ 1 bilhão a US$ 2 bilhões por ano, disse a Bernstein. No entanto, a empresa provavelmente desejará que sua capacidade de energia limpa cresça mais rápido do que isso, disse Clint por telefone.

Em termos de geração, a empresa ainda ficará aquém do maior fornecedor de energia limpa da Europa, a Electricite de France, que controla 93 gigawatts de capacidade de energia nuclear e hidrelétrica. Clint disse que isso não é diretamente comparável, porque a Shell está tentando gerar a maior parte de sua eletricidade a partir de energia renovável.

No entanto, outros grandes produtores que geram eletricidade a partir de fontes renováveis, como a Enel e a Iberdrola, também estão adicionando cerca de 3 gigawatts por ano, disse ele.

"Isso significa que devemos esperar que a Shell também cresça inorganicamente para a potencial posição de nº 1", disse a nota. "Os investidores continuam divididos sobre essa alocação diversificada de capital."

A Shell não comentou imediatamente.

Economia