PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Videogame de 20 anos trava batalha contra imitações da China

Sam Kim e Zheping Huang

17/06/2019 10h12

(Bloomberg) -- No jogo Legend of Mir, guerreiros e feiticeiros lutam contra criaturas de um universo antigo. Agora, o tradicional videogame da WeMade está no centro de uma série de batalhas legais que podem servir como um grito de guerra para empresas estrangeiras com queixas contra rivais chinesas.

Nos últimos três anos, o presidente do estúdio sul-coreano, Henry Chang, abriu 65 processos na China, Cingapura e Coreia do Sul contra estúdios de jogos chineses, em uma tentativa de bloquear o que ele alega serem versões sem licença de seu título criado há duas décadas.

O empresário, de 44 anos, é um dos poucos executivos estrangeiros com coragem de desafiar um grupo de empresas chinesas no maior mercado de videogames do mundo.

Ele já conseguiu algumas vitórias: em dezembro, um tribunal de Pequim ordenou que a 37 Interactive Entertainment Technology parasse de vender um jogo supostamente inspirado no Mir. Em maio, um tribunal de arbitragem de Cingapura decidiu que uma unidade da chinesa Kingnet Network pagasse 468 milhões de iuanes (US$ 68 milhões) em royalties à WeMade.

A cruzada de Chang fornece uma janela para novos desafios enfrentados por um setor que movimenta US$ 38 bilhões e é dominado por gigantes locais como Tencent Holdings e NetEase. Os tribunais chineses têm adotado uma posição mais dura sobre os direitos autorais. Multinacionais sempre evitaram abrir processos contra concorrentes na China, mas Chang sente que agora vale a pena o esforço, em parte porque a guerra comercial iniciada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou a atenção sobre a propriedade intelectual.

"Algumas pessoas dizem que Trump vai causar o fim do mundo, mas acho que está desempenhando um papel positivo quando se trata da China", disse Chang, um executivo de cabelos grisalhos que prefere usar jeans em vez de ternos. "Ele está acelerando uma mudança na China por meio da pressão."

Repórteres da matéria original: Sam Kim em Seul, skim609@bloomberg.net;Zheping Huang em Hong Kong, zhuang245@bloomberg.net

PUBLICIDADE