IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

BCE sinaliza que corte de juros seria arma para elevar inflação

Paul Gordon e Piotr Skolimowski

18/06/2019 09h35

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu considera recorrer a um corte da taxa de juros como primeira medida de estímulo caso precise agir novamente para elevar a inflação, segundo três autoridades do BCE.

Reduzir o custo dos empréstimos para um nível ainda mais negativo seria o primeiro passo mais provável em vez de retomar as compras de ativos, disseram as autoridades, alarmadas com a queda das expectativas de inflação do mercado para um recorde de baixa, o que pressiona o BCE a entrar em ação. As pessoas não quiseram ser identificadas devido à confidencialidade das discussões. Um porta-voz do BCE não quis dar entrevista.

Na terça-feira, o presidente do BCE, Mario Draghi, pareceu indicar que não precisaria de um motivo drástico para agir, quando disse que serão necessários estímulos adicionais "na ausência de qualquer melhora" das perspectivas de crescimento e inflação. Ele citou especificamente as reduções das taxas como opção.

Depois da informação divulgada pela Bloomberg, investidores anteciparam um corte das taxas para setembro. O Commerzbank agora projeta uma redução em julho.

"Draghi vai terminar seu mandato com um corte", disse Claus Vistesen, economista-chefe para a zona do euro da Pantheon Macroeconomics. "A porta agora está aberta e não vejo como não passariam por ela."

Uma redução dos juros pelo BCE poderia aumentar as tensões comerciais com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O presidente americano tuitou na terça-feira que tal medida do BCE, que enfraqueceria o euro, é injusta.

Draghi, que falou no fórum anual do BCE em Sintra, Portugal, também disse que a instituição poderia retomar a flexibilização quantitativa, mesmo que precise aumentar seus próprios limites para adotar tal medida. Embora essas regras tenham sido colocadas em prática para evitar pressionar os mercados e cruzar a linha entre as políticas monetária e fiscal, Draghi disse que são "específicas para as contingências que enfrentamos".

O BCE enfrenta uma desaceleração econômica e inflação que permanece abaixo da meta. Draghi disse que os riscos de fatores geopolíticos, protecionismo e vulnerabilidades nos mercados emergentes não se dissiparam e estão pesando especialmente sobre o setor de manufatura.

Draghi também fez referência à possível necessidade de "medidas de mitigação" para suavizar o efeito da taxa do BCE, atualmente negativa em 0,4%.

--Com a colaboração de Catherine Bosley e Joao Lima.

Repórteres da matéria original: Paul Gordon em Frankfurt, pgordon6@bloomberg.net;Piotr Skolimowski em Frankfurt, pskolimowski@bloomberg.net

Mais Economia