Topo

Bitcoin ultrapassa a marca de US$ 11 mil pela primeira vez em 15 meses

Eric Lam, Vildana Hajric e Joanna Ossinger

2019-06-24T06:15:50

2019-06-24T11:05:43

24/06/2019 06h15Atualizada em 24/06/2019 11h05

(Bloomberg) -- O bitcoin ultrapassou a marca de US$ 11 mil pela primeira vez em 15 meses, recuperando mais da metade da valorização estratosférica que atraiu a atenção dos principais investidores antes do "estouro da bolha" da criptomoeda no ano passado.

"A recuperação do bitcoin tem sido bastante extraordinária", disse George McDonaugh, presidente e cofundador da KR1, uma empresa de investimentos em criptomoedas e blockchain com sede em Londres. "Os fundos não abandonaram o ativo, apenas ficaram esperando o momento de retornar."

O bitcoin chegou a ser negociado a US$ 11.251,21 nesta segunda-feira, um ganho de 13% em relação ao fechamento da sexta-feira, um dos níveis mais altos desde março de 2018.

A criptomoeda mais negociada teve valorização vertiginosa no fim de 2017, chegando a ultrapassar US$ 19.500, antes de entrar em uma trajetória de declínio em boa parte de 2018. O bitcoin permaneceu negociado na faixa entre US$ 3.300 e US$ 4.100 por vários meses.

A recuperação do bitcoin se acelerou em abril, intrigando especialistas que tentavam identificar uma razão para os ganhos. Um estudo da Indexica, um provedor de dados alternativo, mostrou três principais fatores: um debate mais complexo em torno do bitcoin, menos preocupações com fraudes e uma mudança no modo como o bitcoin é visto no futuro.

"O mercado amadureceu muito desde a última vez que o bitcoin ultrapassou US$ 10 mil", disse Matt Greenspan, analista sênior de mercado da eToro. "Esta valorização é muito mais justificada, dado o atual nível de adoção."

Em contraste com o ano passado, há agora sinais de interesse renovado em criptomoedas e na tecnologia de blockchain, principalmente na moeda Libra, que será lançada pelo Facebook. A gigante de redes sociais planeja trabalhar com um amplo grupo de parceiros, como Visa e Uber Technologies, para desenvolver o sistema, que já atraiu críticas de políticos que destacaram preocupações com privacidade e segurança.

O surgimento da Libra "está validando o espaço cripto e valorizando as principais moedas digitais", disse Edward Moya, estrategista-chefe de mercado da Oanda, de Nova York. "A volatilidade do bitcoin deve persistir, com US$ 12 mil e US$ 15 mil como os próximos dois níveis críticos de resistência."

--Com a colaboração de Adam Haigh, Sarah McDonald e Kurt Schussler

Bitcoin é fraude? Entenda por que bancos querem distância

olhardigital

Mais Economia