IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Empresas chinesas de tecnologia de olho em influencers dos EUA

Lucas Shaw

10/07/2019 10h54

(Bloomberg) -- As maiores empresas de tecnologia da China estão em busca das grandes estrelas do YouTube.

O Qingteng Club, um grupo afiliado à gigante de redes sociais e jogos Tencent Holdings, vai reunir executivos e celebridades dos setores de vídeo on-line da China e dos Estados Unidos em um evento privado na Califórnia esta semana, segundo participantes. O Fórum East-West será realizado em um hotel em Anaheim, na mesma rua da VidCon, um centro de convenções para fãs de influenciadores, ou influencers, da Internet.

A Tencent, que controla o serviço de mensagens chinês WeChat, tenta convencer mais estrelas das redes sociais dos EUA a fazer negócios na segunda maior economia do mundo. O painel de abertura do evento é intitulado "Como a Tencent poderia ajudar os negócios de seus influencers na China". A Tecent tem uma vantagem sobre o YouTube para explorar o vibrante mercado: o serviço de vídeo do Google está bloqueado no país.

O ressurgimento do interesse por conteúdo dos EUA coincide com um período de intensa competição na maior arena on-line do mundo. A popularidade do Douyin, o equivalente chinês da plataforma de vídeos curtos TikTok, abalou o setor de tecnologia da China, e empresas como a gigante do comércio eletrônico Alibaba, líder de buscas Baidu e Tencent foram forçadas a defender seu território.

A Tencent, cujo serviço de mensagens WeChat é usado por mais de um bilhão de pessoas, chegou a bloquear links para o Douyin, controlado pela Bytedance. E o IQiyi, um serviço de streaming semelhante ao da Netflix e controlado pelo Baidu, está desenvolvendo um aplicativo concorrente.

"O Fórum East-West é um evento exclusivo que reúne líderes da indústria de tecnologia e do entretenimento do leste e do oeste para se conhecerem, para aprenderem mais uns sobre os outros e para o desenvolvimento de potenciais colaborações", segundo comunicado da Mars Summit, que ajuda a organizar o evento.

Mais Economia