IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

É difícil abandonar canudos de plástico: Bloomberg Opinion

Scott Kominers

15/07/2019 13h01

(Bloomberg) -- Raramente um produto de consumo foi tão difamado quanto o canudo de plástico. Como um símbolo do desperdício humano e do nosso desrespeito descuidado pelo meio ambiente, os canudos são o vilão quase perfeito. Você usa um canudo de plástico uma vez e joga fora, mas permanece conosco para sempre, sentado em um aterro sanitário, flutuando no mar ou prejudicando a vida selvagem.

É por isso que alguns governos locais como o de Nova York proibiram o uso, junto com outros plásticos descartáveis. Isso parece ser uma coisa perfeitamente razoável de se fazer, mesmo que os canudos plásticos compreendam apenas uma pequena parte do volume total de plástico descartado a cada ano.

Mas a eliminação de canudos de plástico oferece um estudo de caso sobre como soluções simples podem ser difíceis de implementar - e às vezes até pior do que os problemas que elas deveriam resolver. Por isso, podemos agradecer a nós e nossas peculiaridades comportamentais.

Vejamos apenas um exemplo: alguns restaurantes e bares substituíram seus canudos de plástico por variantes de metal reutilizáveis. Mas há um problema, como o New York Post noticiou recentemente: os clientes continuam levando os canudos de metal para casa.

Canudos de metal são caros - talvez um dólar cada (ou mais) contra um centavo ou dois da versão de plástico - e assim os custos de reposição se acumulam rapidamente.

Isso pode não ser tão problemático se os canudos de metal com os quais os clientes saem forem reutilizados com frequência. Mas, provavelmente, ficam esquecidos em uma gaveta. E isso significa que os canudos de metal - que presumivelmente requerem mineração, além de grandes quantidades de energia para converter em chapa metálica e depois moldá-la em um tubo cilíndrico - não proporcionam o benefício ambiental pretendido.

Não tenho conhecimento de nenhuma pesquisa sobre os custos ambientais relativos à produção de diferentes tipos de canudos. Mas a evidência em sacolas reutilizáveis ??não é animadora.

As sacolas reutilizáveis ??consomem muito mais energia do que o papel de uso único ou sacos plásticos para fabricar. Como resultado, elas se tornam um benefício ambiental somente depois de um grande número de usos - as estimativas sugerem que você precisa usar uma sacola reutilizável quase 40 vezes para compensar em termos de custos ambientais. A maioria das sacolas reutilizáveis ??se perdem, são descartadas ou negligenciadas em um armário antes desse marco.

Seria surpreendente se o cálculo para canudos de metal fosse melhor. Se os canudos de metal forem purificados antes de terem sido usados ??o suficiente, eles podem ser piores para o meio ambiente do que seus pares de plástico.

Então, o que fazer? A economia oferece uma resposta direta: em vez de proibir plásticos de uso único, a estratégia correta é taxá-los.

Os impostos obrigam as pessoas a pagar - ou, em termos econômicos, internalizar - seus próprios custos ambientais. Isso tende a levar as pessoas a mudar seu comportamento: com os impostos de plástico, todo mundo reduz o uso na margem, com aqueles que obtêm um valor relativamente menor dos plásticos de uso único reduzindo mais seu uso. Mesmo impostos pequenos podem mudar substancialmente o comportamento: um imposto de 7 centavos em todas as sacolas de compras em Chicago, por exemplo, foi associado a uma queda de 42% no uso.

Podemos calibrar impostos para corresponder às estimativas reais de danos ambientais. Isso ajuda a tornar as preocupações ambientais tangíveis e, em particular, torna as pessoas conscientes de quais tipos de plásticos são mais prejudiciais. Além disso, podemos usar a receita fiscal de plástico para apoiar causas ambientais, como Chicago e outras cidades possuem.

É claro que, com esses tipos de impostos sobre uso e taxas de consumo, temos que ter cuidado com a desigualdade: a carga tributária efetiva tende a recair mais sobre aqueles com rendimentos mais baixos e ou aqueles que precisam usar mais produtos plásticos. Mas a política baseada em impostos pode ser projetada para contabilizar as circunstâncias individuais.

Por exemplo, as sacolas plásticas de alta qualidade em supermercados sofisticados costumam ser muito mais caras do que as sacolas de lojas de baixo custo. Enquanto isso, algumas pessoas têm deficiências que significam que precisam usar canudos; elas poderiam ser isentas do imposto sobre o canudo. A exclusão desses indivíduos da proibição do canudo de plástico não ajudaria nem um pouco, já que, com as proibições, muitos restaurantes deixarão de armazenar inteiramente os canudos de plástico.

Então, embora seja verdade que reduzir o uso de canudo de plástico pode ser uma maneira fácil de limitar os danos que causamos ao meio ambiente, precisamos garantir que as limitações que colocamos realmente estejam fornecendo soluções. E isso significa que os impostos podem ser melhores que as proibições.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Mais Economia