PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Libra esbarra em má reputação do Facebook no Congresso dos EUA

Kurt Wagner

17/07/2019 07h44

(Bloomberg) — O Facebook quer desenvolver a criptomoeda do futuro, mas, antes disso, precisa lidar com seu passado.

Quando senadores dos Estados Unidos se reuniram na terça-feira em uma audiência sobre a Libra, a moeda digital em desenvolvimento pelo Facebook, eles se revezaram nas críticas contra os erros da gigante de tecnologia ao longo dos anos. As falhas do Facebook na proteção da privacidade dos usuários, o imenso poder da empresa e até seu papel nas eleições de 2016 foram mencionados repetidamente por membros do Comitê Bancário do Senado, cujas declarações refletiam um refrão quase unânime: não se deve confiar no Facebook para criar uma nova moeda global.

"O Facebook é perigoso", disse o senador Sherrod Brown, o democrata com o maior posto no comitê, que deu o tom com suas observações mordazes na abertura apenas alguns minutos após o início da audiência. Brown descreveu a empresa como uma "criança" com uma caixa de fósforos. "O Facebook incendiou a casa várias vezes e chamou todos os incêndios criminosos de aprendizado", disse.

Segundo o Facebook, seu objetivo é criar uma moeda digital que reduza o custo das transferências internacionais e ajude a incorporar mais de um bilhão de pessoas sem contas bancárias ao sistema financeiro global. Mas, depois que a maior rede social do mundo anunciou o plano no mês passado, rapidamente enfrentou o ceticismo de uma ampla coalizão de autoridades dos EUA, incluindo o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e o presidente dos EUA, Donald Trump. Ao mesmo tempo, a empresa tem de lidar com outros problemas em Washington, como uma investigação sobre privacidade conduzida pela Comissão Federal de Comércio, prestes a ser concluída.

David Marcus, o executivo que lidera a equipe de blockchain do Facebook e por enquanto o líder do projeto Libra, respondeu aos questionamentos dos parlamentares na terça-feira. "Teremos que assumir compromissos muito fortes para que as pessoas confiem em nós, e teremos que honrar esses compromissos por um longo período de tempo para ganhar a confiança das pessoas", disse, acrescentando que os usuários poderão usar a moeda Libra em outras carteiras digitais administradas por concorrentes do Facebook.

Marcus também tocou em um tema recorrente para a empresa: se o Facebook não desenvolver a tecnologia do futuro, outra pessoa o fará. Marcus mencionou várias vezes que acredita que os EUA devem ser líderes na criação de uma moeda global - algo que outros países tentarão fazer sem a contribuição dos EUA, acrescentou.

O executivo vai responder a mais perguntas sobre a Libra na quarta-feira, desta vez ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara de Deputados, onde a presidente Maxine Waters tem demonstrado um particular desdém sobre os planos do Facebook para a Libra. Waters pediu que a empresa suspenda o projeto enquanto o Congresso investiga o tema.