IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Hackers poderiam alterar mensagens no WhatsApp, diz Check Point

Andrew Martin e Kartikay Mehrotra

08/08/2019 05h57

(Bloomberg) -- Uma empresa de segurança cibernética diz ter identificado falhas no aplicativo WhatsApp que permitiria que hackers manipulassem mensagens em conversas públicas e privadas, aumentando a possibilidade de disseminação de desinformação pelo que parecem ser fontes confiáveis.

A Check Point Software Technologies, uma empresa israelense que fornece serviços de segurança para redes de computadores, disse que seus pesquisadores encontraram três maneiras possíveis de alterar conversas. Uma usa o recurso "citação" em uma conversa de grupo para alterar a aparência da identidade de um remetente. Outra permite que um hacker altere o texto da resposta de outra pessoa. E outra, que foi corrigida, permitiria que uma pessoa enviasse uma mensagem privada para outro participante do grupo que na verdade é uma mensagem pública para todos, de modo que, quando o indivíduo marcado respondesse, seria visível para todos na conversa.

Uma porta-voz do WhatsApp não quis comentar.

As falhas podem ter consequências significativas porque o WhatsApp tem cerca de 1,5 bilhão de usuários e é usado para conversas pessoais, comunicações comerciais e mensagens políticas, disse Oded Vanunu, chefe de pesquisa de vulnerabilidade da Check Point.

A Check Point disse que alertou o WhatsApp, que é controlado pelo Facebook, sobre as falhas no fim do ano passado. Mas a empresa disse que apenas uma das falhas - alterar uma mensagem privada para que se torne visível para todo o grupo - foi abordada. Vanunu disse que a Check Point está trabalhando com o WhatsApp, mas os outros problemas foram difíceis de resolver por causa da criptografia do aplicativo de mensagens.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Andrew Martin em N York, amartin146@bloomberg.net;Kartikay Mehrotra em São Francisco, kmehrotra2@bloomberg.net

Mais Economia