IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Maior mineradora de lítio decide frear planos de expansão

Laura Millan Lombrana

09/08/2019 09h49

(Bloomberg) -- A Albemarle, maior produtora de lítio do mundo, freou os planos de aumentar a produção do mineral usado na fabricação de baterias de veículos elétricos, o que ajuda a diminuir a preocupação com o excesso de oferta e queda dos preços.

A empresa com sede em Charlotte, na Carolina do Norte, decidiu suspender os planos de expansão em vários países, disse o CEO Luke Kissam na quinta-feira, durante teleconferência sobre o balanço do segundo trimestre. A expansão das operações teria acrescentado 125 mil toneladas de capacidade de lítio e custaria cerca de US$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos.

Os preços do lítio caíram quase 40% nos últimos 12 meses com a perspectiva de que a oferta vai superar a demanda pelo mineral, depois da corrida dos produtores para aumentar a produção. Kissam também destacou a incerteza sobre o impacto sobre a demanda com a redução dos subsídios chineses para veículos elétricos.

"Não faz sentido adicionarmos nova capacidade", disse Kissam. "Tudo se resume sobre o rumo dos preços, como estão os contratos com os clientes e como vão evoluir ao longo do tempo."

A Albermarle espera aumentar a capacidade de produção para até 175 mil toneladas em 2021 em relação às 65 mil toneladas no ano passado. A mudança nos planos de expansão da Albermale provavelmente deve interferir na meta anterior de longo prazo de atingir 350 mil toneladas.

A Albemarle vendeu lítio a um preço 2% maior no segundo trimestre em comparação com o ano anterior. A empresa espera que os preços permaneçam estáveis ou caiam no segundo semestre do ano. No balanço de 2019, a projeção é de leve alta.

A empresa manteve a perspectiva de que a demanda global do metal subirá para 1 milhão de toneladas de lítio até 2025. Como os estoques em usinas de conversão de lítio na China e em outros lugares começando a se esgotar, a oferta deve ser apertada em 2020, disse Eric Norris, responsável de lítio da empresa, durante a teleconferência.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Mais Economia