Topo

Argentina leva fundo da Templeton à pior queda diária desde 2008

Ben Bartenstein

13/08/2019 16h11

(Bloomberg) -- A forte desvalorização dos ativos da Argentina trouxe perdas para alguns dos maiores gestores de recursos dos Estados Unidos.

Fundos com alta exposição à Argentina despencaram na segunda-feira depois da derrota do presidente Mauricio Macri nas eleições primárias do fim de semana. O maior perdedor entre fundos de mercados emergentes com pelo menos US$ 1 bilhão em ativos foi o Templeton Emerging Markets Bond Fund, com ativos de US$ 13 bilhões, com queda de 3,5%, segundo dados compilados pela Bloomberg. Foi a maior queda diária desde a crise financeira global de outubro de 2008.

Uma porta-voz da Franklin Templeton não quis dar entrevista. O fundo Templeton tinha uma alocação de 12% na Argentina em 30 de junho, que incluíam títulos do Tesouro e notas atreladas à taxa básica de juros do país, segundo dados compilados pela Bloomberg. Os títulos soberanos e corporativos argentinos perderam US$ 16,8 bilhões na segunda-feira, segundo o índice de mercados emergentes Bloomberg Barclays.

Os ativos argentinos estenderam a desvalorização sem precedentes na terça-feira em meio à preocupação dos investidores de que o candidato da oposição Alberto Fernández retome políticas populistas, como o controle do mercado de câmbio, que eram comuns no governo da ex-presidente Cristina Kirchner, agora vice na chapa de Fernández. O peso bateu recorde de baixa na segunda-feira, e o rendimento dos títulos de 100 anos subiu para um recorde de 14%.

O mergulho "mostra o doloroso e duradouro impacto do tratamento beligerante da Argentina em relação aos credores", disse Mike Conelius, gerente de recursos da T. Rowe Price, em Baltimore, cujo fundo de títulos de mercados emergentes, de US$ 5,8 bilhões, teve queda de 2,2% na segunda-feira, a maior em seis anos. Cerca de 7,3% da carteira da T. Rowe tinha exposição ao país.

Outros grandes fundos também sentiram o impacto. O Ashmore Emerging Markets Short Duration Fund, de US$ 7,5 bilhões, caiu 3,2%, enquanto o Fidelity Series Emerging Markets Debt Fund, com ativos de US$ 1,4 bilhão, se desvalorizou 3,1%. Um porta-voz da Ashmore não respondeu a um pedido de comentário. O fundo Ashmore tem o melhor desempenho de longo prazo no grupo, tendo superado 95% de seus pares nos últimos cinco anos, segundo dados compilados pela Bloomberg. Um porta-voz da Fidelity não quis comentar.

--Com a colaboração de John Gittelsohn, Carolina Millan e Shin Pei.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Mais Economia