PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

FAA pede cuidado em aeroportos com sensores como os do 737 Max

Alan Levin

20/08/2019 16h28

(Bloomberg) -- Os reguladores de aviação dos EUA estão pedindo aos trabalhadores nos aeroportos que tomem cuidado extra em torno dos sensores nas laterais de aeronaves, como os que falharam em dois acidentes com jatos 737 Max da Boeing desde outubro.

Os chamados 'sensores de ângulo de ataque', que indicam se o nariz de um avião está apontando demasiadamente para cima e tentam evitar o início das condições de estol e perda de sustentação, são vulneráveis a danos, disse a Administração da Aviação Federal (FAA) em um comunicado.

É imperativo que todos os operadores estejam cientes da criticidade dos sensores AOA e do potencial de danos durante operações normais, procedimentos de manutenção e quaisquer outros em torno de uma aeronave onde possam ocorrer danos a um sensor AOA, disse a FAA, em 14 de agosto.

Os sensores em dois jatos 737 Max falharam, levando um recurso de segurança a forçar repetidamente para baixo o nariz de cada uma das aeronaves. Os pilotos acabaram perdendo o controle dos aviões, apesar dos procedimentos para desabilitar o mau funcionamento do sistema. Nos dois acidentes, morreram 346 pessoas e o 737 Max deixou de levantar voo em todo o mundo desde 13 de março.

O aviso da FAA foi enviado como um "lembrete" de segurança e não está ligado a nenhuma descoberta específica das múltiplas investigações sobre os acidentes, disse a agência no comunicado.

Uma revisão de bancos de dados públicos feita pela Bloomberg encontrou pelo menos 140 casos desde o início da década de 1990, com sensores de ângulo de ataque sendo danificados no solo ou por pássaros em voos. Mesmo que as falhas tenham ocorrido em modelos diferentes de aeronaves, por vezes provocavam sérias emergências na cabine dos pilotos, como ocorreu nos acidentes do 737 Max.