PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Chefe do Banco da Inglaterra defende moeda de reserva virtual

Brian Swint e Matthew Boesler

26/08/2019 16h19

(Bloomberg) -- Autoridades de política monetária reunidas em Jackson Hole, no estado de Wyoming, não tinham certeza se a ideia do presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, de criar uma moeda de reserva virtual é a resposta, mas concordam que o domínio do dólar é um problema.

Carney aproveitou o simpósio anual do Federal Reserve de Kansas City para estabelecer um objetivo radical - criar uma moeda semelhante à Libra, com base em várias moedas amplamente utilizadas - que acabaria por substituir o papel do dólar em transações internacionais.

A proposta provocativa de Carney destacou a batalha simultânea a 8 mil quilômetros de distância dos líderes do G-7 reunidos na França, que tentam preservar alguma aparência da ordem internacional em meio às explosões do presidente Donald Trump no Twitter. Os formuladores de políticas monetárias no sopé das montanhas Teton passaram a sexta-feira e sábado debatendo como poderiam fortalecer a economia mundial, com dúvidas crescentes sobre quais medidas adicionais seriam possíveis.

Adam Posen, ex-formulador de políticas do Banco da Inglaterra, argumentou que ainda existem razões políticas e econômicas fundamentais pelas quais as pessoas confiam no dólar, principalmente porque a moeda ganha uma disputa "menos feia" contra, digamos, o euro ou o yuan da China. Embora seja possível ter várias moedas de reserva, os países já tentaram usar uma cesta de moedas sintética antes e o plano não funcionou, disse.

"O desejo de se livrar do domínio total da moeda dos EUA é provavelmente saudável", disse Posen, que agora é presidente do Instituto Peterson de Economia Internacional, em Washington. Mesmo assim, "a ideia de que existe uma solução tecnológica para conseguir isso parece equivocada".

--Com a colaboração de Richard Miller.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Brian Swint em Londres, bswint@bloomberg.net;Matthew Boesler em Nova York, mboesler1@bloomberg.net