PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Guerra de Putin contra lixo é maior batalha para se manter poder

Henry Meyer e Ilya Arkhipov

27/09/2019 14h52

(Bloomberg) -- Natalya Syrovyatkina diz que nunca participou de um protesto antes, mas, embrenhada em uma floresta a 100 quilômetros a leste de Moscou, ela está pronta para lutar até a morte.

"Estamos esperando por eles", diz a enfermeira, de 41 anos, e mãe de dois filhos. "Farei tudo. Deixe que me matem.

Syrovyatkina faz parte de um grupo de 7.000 residentes locais que tentam interromper a construção de uma usina que processará lixo da maior capital da Europa. Os mais aguerridos estão no local 24 horas por dia desde março, dormindo primeiro em carros e, mais recentemente, acampando entre as árvores.

O problema para o presidente russo Vladimir Putin é que o que pode parecer uma demonstração de raiva corriqueira assumiu um significado muito mais amplo. Na verdade, o lixo se transformou em um para-raios para o descontentamento e um teste inusitado de sua durabilidade como líder.

A raiva da população pela poluição das montanhas de lixo empilhadas nos arredores de Moscou e em outros lugares aumentou a sensação entre os russos comuns de que estão sendo ignorados pelo governo. Também houve um aumento na idade das aposentadorias, os cortes nos gastos de assistência à saúde e os padrões de vida estão em declínio devido à queda da renda. A popularidade de Putin, tradicionalmente inatingível, já caiu para o menor nível em mais de uma década este ano.

"Para muitas pessoas, o lixo é mais importante que os direitos democráticos", diz Tatiana Stanovaya, analista política e acadêmica não residente do Carnegie Moscow Center. "A qualidade de vida agora é uma prioridade. Se a população perceber que as autoridades não escutam, a insatisfação social se transformará em política e ameaçará o sistema."

Não foram meses muito bons para o Kremlin. Houve manifestações a favor de candidatos da oposição que foram barrados nas eleições municipais de 8 de setembro, que levaram 60.000 pessoas às ruas no auge dos protestos. Depois de uma indignação generalizada sobre uma sentença de prisão por um ator detido durante um protesto no mês passado, os promotores inverteram o curso e pediram clemência.

--Com a colaboração de Stepan Kravchenko.