PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Cidade do México aumenta controle sobre projetos de construção

Andrea Navarro

16/10/2019 14h27

(Bloomberg) -- O setor de construção na Cidade do México enfrenta uma estagnação diante das medidas do governo para combater a corrupção, trazendo uma nova ameaça ao crescimento econômico do país.

A prefeita Claudia Sheinbaum, uma aliada do presidente Andrés Manuel López Obrador, busca solucionar possíveis irregularidades em zoneamento, uso do terreno e concessão de projetos. Como resultado, seu governo reduziu drasticamente a concessão de licenças em uma cidade que desempenha um importante papel na economia do país.

O maior controle sobre os projetos - os defensores da medida dizem que os atrasos já levam anos - tem provocado um impacto não intencional sobre o crescimento da capital, a área mais rica do México. A atividade de construção na cidade caiu quase 17% em maio, a maior baixa desde dezembro de 2015, segundo a agência de estatísticas do México. E a retração atinge a expansão nacional em um momento em que a economia emerge como motivo de decepção com López Obrador em seu primeiro ano de mandato.

"É isso que identificamos como um dos fatores mais importantes no contexto do que vem acontecendo com o crescimento este ano", disse Juan Carlos Alderete, economista do Grupo Financiero Banorte. "É apenas um setor em uma cidade, mas não é pequeno."

Somente a retração do setor de construção na cidade já eliminou 0,18 ponto percentual do crescimento do PIB do México e pode descontar até 0,3 ponto percentual no ano de 2019, disse Alderete.

Seria um golpe significativo para uma economia que deve crescer apenas 0,5% este ano, segundo estimativas compiladas pela Bloomberg. A meta de López Obrador para o crescimento médio anual durante seu mandato de seis anos é de 4%.

Em pausa

Em junho, a autoridade habitacional da Cidade do México, conhecida como Seduvi, anunciou que estava revendo 200 projetos de construção - de prédios de apartamentos a torres de escritórios - para verificar a conformidade com os regulamentos atuais.

"Isso gerou um impasse que nos preocupa", disse Armando Diaz, chefe da câmara de comércio do setor de construção da Cidade do México. "Isso terá impacto em novos projetos e investimentos para o próximo ano."

A Seduvi resolveu 92% das 245 análises realizadas, disse uma porta-voz em resposta a perguntas. Desse total, 121 projetos foram aprovados e o restante teve a licença negada por falta de alguns serviços ou aprovação de outros departamentos. As empresas poderão modificar seus projetos e solicitar novamente as licenças, disse a Seduvi.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net