IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Anúncio em lista de brinquedos da Amazon pode custar até US$2 mi

Spencer Soper e Matthew Townsend

17/10/2019 10h23

(Bloomberg) — A Amazon.com acaba de lançar seu guia anual de brinquedos de Natal, informando aos clientes que o castelo Lego Disney, o unicórnio Magical da VTech e mais de 100 outros itens "foram cuidadosamente selecionados para ajudar os consumidores a enfrentar rapidamente até as mais longas listas de compras de Natal".

O que a Amazon não menciona são os milhões de dólares que cobra do setor de brinquedos apenas para que as empresas sejam consideradas para um lugar no popular guia de presentes.A Amazon vende espaços de publicidade da "Holiday Toy List" por até US$ 2 milhões, de acordo com documentos revisados pela Bloomberg. Quanto mais os patrocinadores pagam, mais produtos podem indicar para figurar na lista e mais destaques conseguem para suas mercadorias. A Amazon pretendia vender pelo menos US$ 20 milhões em publicidade para a lista deste ano, segundo os documentos. A Amazon também publicou uma lista de brinquedos de verão com preços mais baixos de patrocínio.

Robert Weissman, presidente do grupo de defesa do consumidor Public Citizen, explica que é perfeitamente legal a Amazon vender publicidade em seu site. Segundo ele, isso se torna um problema quando a maior varejista on-line do mundo diz aos consumidores que as recomendações são selecionadas por especialistas, mas não divulga o dinheiro que recebe do setor de brinquedos. Como os consumidores valorizam mais as recomendações de fontes independentes, argumenta, as empresas preferem manter seu envolvimento financeiro oculto."Eles não escrevem 'anúncios pagos', porque isso muda completamente a forma como os consumidores percebem as informações", disse Weissman. "Se a lista é de publicidade paga total ou parcialmente, as pessoas têm o direito de saber."A Amazon comparou os pagamentos recebidos às marcas que pagam lojas para serem incluídas nos folhetos de publicidade ou para ganhar destaque nas prateleiras. Em comunicado por e-mail, a empresa afirmou: "Todos os produtos da nossa Holiday Toy List, que oferece ideias de presentes para a família, de lançamentos a favoritos dos clientes, são organizados de forma independente por uma equipe de especialistas internos, com base em um alto padrão de qualidade, design, inovação e experiência. Adquirimos ideias de produtos de vários lugares, incluindo de nossos parceiros de vendas que têm a oportunidade de indicar seus melhores brinquedos para a temporada e aumentar a visibilidade desses brinquedos."

As listas de presentes são uma forma tradicional para os fabricantes de brinquedos se destacarem na agitada temporada de festas, quando pais ocupados estão desesperados em busca de ideias. Os fabricantes de brinquedos querem aparecer nessas listas porque as empresas geram cerca de metade de suas vendas anuais durante as festas de fim de ano.

O Walmart cobra US$ 10 mil mensais para que um produto apareça em sua lista de brinquedos "Buyer's Picks" em novembro e dezembro, de acordo com documentos revisados pela Bloomberg. A empresa oferece outras listas, incluindo a "Top Rated by Kids", que se baseia na opinião de crianças que testam e avaliam mais de 100 brinquedos em julho. O Walmart e seus fornecedores de brinquedos fazem parceria para determinar os 100 brinquedos que serão testados. A porta-voz da empresa, Leigh Stidham, disse que fornecedores e marcas não podem pagar para serem incluídos nesta lista, mas não fez comentários sobre a "Buyer's Picks".

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Spencer Soper em Seattle, ssoper@bloomberg.net;Matthew Townsend em New York, mtownsend9@bloomberg.net

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia