PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Vendedores de aspirador se complicam com negócio de cannabis

Katherine Chiglinsky e Craig Giammona

29/10/2019 15h05

(Bloomberg) -- Executivos do home office da Kirby perceberam algo estranho: seus vendedores de aspirador porta a porta estavam cada vez mais envolvidos na venda paralela de óleo de CBD, principal ingrediente não psicoativo da cannabis.

Kirby, cuja empresa controladora é de propriedade da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, não gostou da ideia de que seus terceirizados estavam vendendo remédios não comprovados à base de cânhamo, um primo de maconha. A Kirby decidiu demiti-los.

"Fiquei arrasado", disse Abe Sharqawi, 48 anos, que trabalhava como autônomo para a Kirby há quase três décadas. Segundo ele, a empresa alegou que a demissão foi justificada, em parte, porque Sharqawi estava distraído com o trabalho em uma loja de CBD aberta por sua filha. "Meu plano era trabalhar mais 15 anos na empresa."

Kirby afirma que é simplesmente uma questão de os vendedores cumprirem seus contratos, mas a situação revela um problema mais amplo na crescente economia dos bicos: quanto controle as empresas de controle devem ter trabalhadores que não são tecnicamente empregados.

A legislação sobre a maconha se tornou mais flexível nos EUA após décadas de proibição, criando um colcha de retalhos de regras que variam de estado para estado e que são difíceis para as empresas navegarem. Mesmo com a maconha legalizada em lugares como Michigan, Colorado e Califórnia, os estigmas e proibições persistem, mesmo para o cânhamo, em outras partes do país. O Departamento de Agricultura dos EUA deverá abordar o status legal do cânhamo ainda nesta semana.

"O problema do CBD ainda é relativamente novo", disse Bruce Douglas, advogado da Ogletree Deakins, que trabalha com empregadores em questões trabalhistas e não tem conexão com os casos da Kirby. "Não é incomum que empregadores queiram garantir que seus funcionários não provoquem o descrédito de seus negócios."

O cânhamo foi legalizado federalmente em dezembro como parte do último projeto agrícola, mas alguns estados ainda têm leis que o proíbem. E, embora o CBD vendido nos EUA seja feito de cânhamo e não de maconha, a dúvida sobre seu status legal continua sendo um obstáculo para agricultores, caminhoneiros, policiais e empresas, como a centenária Kirby.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Katherine Chiglinsky New York, kchiglinsky@bloomberg.net;Craig Giammona em Nova York, cgiammona@bloomberg.net