PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Criminosos aperfeiçoam falsificação de vinhos jovens

Edward Robinson

30/10/2019 16h48

(Bloomberg) -- Philip Moulin abre a tampa de um engradado de madeira e retira um Bordeaux de 2000 que pode custar US$ 10 mil por garrafa. Mas Moulin não tem saca-rolhas nem decantador na mão. Em vez disso, ele digitaliza o rótulo com uma lupa digital e suspira com satisfação quando encontra um fio de letras microscópicas soletrando "Chateau Margaux" repetidamente em uma imagem da propriedade da vinícola - uma indicação de que o vinho é autêntico.

Moulin é o detetive da Berry Bros. & Rudd, um comerciante de vinhos de 321 anos que estoca a adega no Palácio de Buckingham e armazena mais de 6 milhões de garrafas para colecionadores. Com a proliferação de vinhos falsificados em meio aos altos preços das safras premiadas, seu trabalho é impedir que as falsificações cheguem ao cavernoso armazém da empresa, 80 quilômetros a oeste de Londres, onde a temperatura é mantida a 12 graus Celsius.

Muitos dos vinhos dos clientes armazenados na Berry Bros. acabarão sendo vendidos no mercado on-line do comerciante, por isso é do interesse da empresa garantir que tudo o que armazena seja autêntico. "Meu objetivo é não deixar nada ameaçador entrar no negócio e prejudicar nossa reputação", diz Moulin.

Os fraudadores usam uma miríade de truques para enganar os compradores a pagarem muitos dólares por vinho falso. Fabricam etiquetas, reciclam garrafas e rolhas velhas e evocam histórias de compras falsas para suas safras. Embora os criminosos prefiram falsificar vinhos antigos por serem muito caros, Moulin e outros especialistas dizem que os golpistas estão cada vez mais mirando safras mais recentes, porque tendem a atrair menos escrutínio.

Há um ano, autoridades chinesas apreenderam mais de 50 mil garrafas falsas da Penfolds, o prestigioso produtor australiano, em uma operação em Zhengzhou. Em fevereiro, três homens na Itália foram acusados ??de falsificar cerca de 11 mil garrafas de Tignanello, um tinto opulento da vinícola Marchesi Antinori, na Toscana.

Embora o vinho, datado de 2009 a 2011, não tenha chegado ao mercado, Moulin ficou alarmado com o fato de uma suposta quadrilha de crime organizado ter falsificado um Super Tuscan que custa US$ 80 por garrafa em vez de um Bordeaux ou Borgonha envelhecido que pode custar US$ 10 mil. "A falsificação de safras mais jovens está sendo feita com um nível realmente alto e em escala", diz Moulin.