PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

1% mais rico dos EUA perto de superar ativos da classe média

Alexandre Tanzi e Michael Sasso

11/11/2019 09h09

(Bloomberg) -- A histórica expansão econômica dos Estados Unidos enriqueceu tanto o topo da pirâmide que agora a camada que representa 1% da população possui patrimônio quase equivalente aos ativos combinados das classes média e alta.

O grupo do 1% mais rico obteve enormes retornos no mercado de ações na última década, a ponto de agora controlar mais da metade do patrimônio de empresas de capital aberto e fechado dos EUA, de acordo com dados do Federal Reserve. Com as carteiras cheias, a elite dos EUA devora um pedaço cada vez maior do bolo.

Os mais ricos tinham ativos de cerca de US$ 35,4 trilhões no segundo trimestre, ou pouco menos do que os US$ 36,9 trilhões de dezenas de milhões de pessoas que compõem entre 50% e 90% da população dos EUA - grande parte das classes média e alta do país.

A boa sorte pode ser explicada, em parte, pelas taxas de juros, disse Stephen Colavito, estrategista-chefe de mercado da Lakeview Capital Partners, uma empresa de investimentos com sede em Atlanta com foco em investidores de alto patrimônio. As pessoas não conseguem bons retornos com certificados de depósitos e outros investimentos passivos, por isso investem em ações e sustentam o mercado em geral, afirmou.

Por sua vez, esses investimentos tornam os ricos elegíveis para investir em hedge funds e fundos de private equity exclusivos. Muitos desses fundos exigem investimento mínimo de US$ 5 milhões.

"Quanto mais ricos ficam, mais oportunidades têm", disse Colavito.

Não demorará muito para que a camada de 1% supere as classes média e média alta. O patrimônio das famílias no escalão mais alto aumentou US$ 650 bilhões no segundo trimestre de 2019, enquanto os americanos que representam de 50% a 90% da população ganharam US$ 210 bilhões.

O grupo que ficou do lado de fora da festa: a base da pirâmide que representa 50% dos americanos. Essas famílias respondem por 35,7% dos passivos nos EUA e por apenas 6,1% dos ativos.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Alexandre Tanzi Washington, atanzi@bloomberg.net;Michael Sasso Atlanta, msasso9@bloomberg.net