PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Com recorde de contas na Argentina, MercadoPago mira México

Carolina Millan

28/11/2019 15h31

(Bloomberg) -- O MercadoLibre planeja estrear no México com seu aplicativo fintech, responsável por quase dois terços do total das contas de investimento na Argentina.

A empresa pretende lançar o produto de investimentos por meio de sua plataforma no México no primeiro trimestre de 2020, disse Osvaldo Gimenez, presidente do MercadoPago. A empresa permite que pessoas físicas invistam o saldo de suas carteiras digitais em fundos mútuos de baixo risco.

A aceitação foi tão grande na Argentina que 1 milhão de contas de investimento foram criadas por meio do aplicativo, cuja ferramenta foi lançada há pouco mais de um ano -, elevando o total do país para 1,4 milhão. Os argentinos tentar preservar o valor de suas economias em meio aos controles de capital e inflação anual de 50%. O fundo do MercadoPago na Argentina, administrado pelo Grupo BIND, oferece retorno em pesos de 42%, disse o CEO Andrés Meta.

A iniciativa da empresa de comércio eletrônico ocorre quando fintechs cortejam grande parte da população sem contas bancárias. O MercadoPago, a plataforma de pagamentos, lidera o crescimento da empresa. O número de transações mais que dobrou no terceiro trimestre na comparação anual, enquanto o valor subiu 66%, para US$ 7,6 bilhões.

A empresa captou US$ 1,9 bilhão no início do ano, que incluiu um alto aporte do PayPal Holdings. Gimenez disse que os detalhes dessa parceria serão anunciados no primeiro semestre do próximo ano.

O setor de fintechs está aquecido particularmente no Brasil, onde há uma guerra de preços entre os diversos concorrentes. Gimenez disse que considera as taxas do MercadoPago "competitivas" e que a empresa poderia buscar uma licença para conceder empréstimos ao consumidor mais adiante para expandir seu status atual como instituição de pagamentos.

Meta acrescentou que o fundo usado pelo MercadoLibre agora tem 5 bilhões de pesos sob gestão, abaixo do pico de 6,5 bilhões de pesos (US$ 110 milhões) antes da onda vendedora que atingiu a Argentina em agosto.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net