PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Firmes no poder, CEOs de bancos deixam próxima geração de molho

Lananh Nguyen

21/01/2020 13h08

(Bloomberg) -- Jamie Dimon acabou de conduzir o JPMorgan Chase ao melhor ano de qualquer instituição financeira na história dos Estados Unidos. Brian Moynihan resgatou o Bank of America, que estava à beira da ruína, para anos de rentabilidade. Com James Gorman à frente do Morgan Stanley e Michael Corbat no comando do Citigroup, os tempos de crise desapareceram da memória.

Esses capitães de Wall Street já estão no mercado há algum tempo - 14, 10, 10 e 7 anos, respectivamente. Isso os torna soldados de guerra em comparação com o típico executivo norte-americano, cujo mandato médio em grandes empresas é de 4,8 anos, de acordo com a Equilar.

Alguns especialistas do setor dizem que as mãos firmes necessárias para trazer estabilidade após a crise financeira de 2008 poderiam estar segurando demais o poder. E isso pode estar atrasando a chegada da próxima geração de executivos.

"Existe um vácuo", disse Jeanne Branthover, que recruta executivos do setor financeiro para a empresa de headhunter DHR International. Embora os bancos tenham melhorado planos de contingência para morte súbita ou doença, possíveis sucessores a longo prazo permanecem despreparados e provavelmente não estarão prontos por pelo menos dois a quatro anos, avalia.

Os conselhos corporativos se preparam para a sucessão a portas fechadas. Embora raramente especifiquem os nomes da lista de selecionados, observadores procuram pistas, promoções ou demissões, para indicador qual estrela está surgindo.

Na verdade, quando se trata de escolher o presidente de um grande banco, é difícil encontrar candidatos que atendam a todos os requisitos.

"Você pode estar superpreocupado, mas sempre precisa ficar calmo", disse Moynihan, do Bank of America, sobre as qualidades que ele valoriza em um CEO. "Você não pode recuar quando algo der errado. Você tem que consertar, lidar com isso", afirmou o executivo de 60 anos.

A pessoa certa precisa de uma quantidade enorme de habilidades, que incluem, mas não se limitam, a uma ampla experiência, um histórico de conseguir lucro, conhecimento de liderança e credibilidade em todo o mundo. Também precisa navegar pelos cardumes políticos que podem destruir os melhores candidatos em qualquer ambiente corporativo competitivo.

Isso explica por que o Wells Fargo demorou quase seis meses para escolher Charlie Scharf, pupilo de Dimon, ou por que presidentes bem estabelecidos permanecem por tanto tempo em outros bancos.

Ter paciência

Portanto, adicione um dos atributos mais raros - paciência - à lista de qualidades que os candidatos devem exibir.

A busca por equilíbrio ocorre em todo o setor. Ainda na semana passada, Dimon, 63 anos, brincou dizendo que gostaria de ficar mais cinco anos - a mesma piada que ele conta desde pelo menos 2014. Esse tempo pode ser uma longa espera para executivos que o JPMorgan prepara para substituir Dimon. Eles incluem os copresidentes Daniel Pinto e Gordon Smith, a CEO de empréstimos ao consumidor, Marianne Lake, e a diretora financeira, Jennifer Piepszak.

O JPMorgan foi chamado de fábrica de CEOs por causa de seu profundo banco de dados e também devido a alguns executivos em ascensão que optaram por sair para administrar outras empresas, em vez de esperar que os eternos cinco anos de Dimon passassem, disse Mike Mayo, analista da Wells Fargo.

O Citigroup pode ser o primeiro entre os maiores bancos dos EUA a nomear uma mulher como diretora-presidente. O banco promoveu Jane Fraser ao segundo posto mais importante em outubro, colocando-a na posição de potencialmente suceder Corbat, de 59 anos.

Moynihan, do Bank of America, e Gorman, do Morgan Stanley, disseram nos últimos meses que estão felizes em seus empregos e permanecerão enquanto seus conselhos acharem necessário.

"Quero desenvolver uma equipe para me substituir", Gorman disse à CNBC em dezembro. "Não tenho vontade de estar aqui quando tiver 70 anos. Tenho 61."

--Com a colaboração de Doug Alexander.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net