PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Fed deve manter juros, mas pressão por mudanças aumenta

Fachada do Fed, o Banco Central dos Estados Unidos - Jim Bourg/Reuters
Fachada do Fed, o Banco Central dos Estados Unidos Imagem: Jim Bourg/Reuters

Craig Torres

27/01/2020 14h53

(Bloomberg) -- Dentro do Fed, por enquanto a política monetária é de estabilidade. Investidores acreditam que a reunião desta semana será uma decisão fácil, já que as autoridades devem votar por manter a taxa de juros inalterada por enquanto. Do lado de fora, a conversa é bem diferente. Especialistas em política monetária e veteranos observadores do Fed estão cada vez mais preocupados com o que o banco central será capaz de fazer e quais ferramentas estarão disponíveis quando a próxima desaceleração chegar.

O debate continua lançando ideias ousadas - como injeções diretas de capital, um dólar digital e coordenação explícita entre bancos centrais e políticos que controlam orçamentos, uma proposta circulada pelo diretor-presidente do JP Morgan Chase, Jamie Dimon, em Davos na semana passada. E o Fed está de fato no meio de uma revisão de ferramentas e comunicação, uma discussão que pode ter destaque na reunião de 28 e 29 de janeiro.

Mas esse exercício provavelmente não produzirá o tipo de inovação radical que Dimon e outros imaginaram. O presidente do Fed, Jerome Powell, e seus colegas indicam que quaisquer mudanças serão marginais. A meta de inflação de 2% é sacrossanta, a conversa sobre cooperação fiscal-monetária está fora de cogitação e os diretores do Fed não se impressionam com o experimento da Europa com taxas de juros negativas.

"Nesse momento, o Fed está praticamente sem munição para combater a próxima recessão", disse Andrew Levin, professor do Dartmouth College e ex-assessor sênior de Janet Yellen. "As autoridades do Fed devem iniciar discussões francas com o Congresso sobre como fortalecer a caixa de ferramentas de política monetária."

O ex-gerente da conta de mercado aberto do Fed de Nova York Simon Potter e a economista Julia Coronado trabalham em uma proposta na qual o Fed realizaria transferências diretas de dinheiro para contas de consumidores para estimular os gastos em uma recessão. Economistas como Coronado e Potter analisam estratégias não convencionais devido ao nível das taxas de juros atuais.

Mesmo depois de mais de uma década de expansão, os rendimentos do Tesouro permanecem ultrabaixos.

O intervalo da meta do Fed para a taxa de referência está atualmente entre 1,5% e 1,75%, e a expectativa é de que as autoridades mantenham os juros inalterados na quarta-feira.

Notavelmente, o rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos, em 1,68% no fim da sessão na sexta-feira, está abaixo do teto do intervalo da taxa básica do Fed. Os Treasuries de cinco anos rendem cerca de 1,5%.

Isso significa que a flexibilização quantitativa — um programa de compra de títulos implantado na última crise financeira — teria pouco espaço para reduzir os rendimentos nominais dos títulos do Tesouro dos EUA depois de reduzir a taxa de juros para zero.

Isso explica, em parte, porque os pedidos para inovar estão crescendo. O ex-vice-presidente do Fed, Stanley Fischer, e o ex-presidente do conselho do Banco Nacional Suíço Philipp Hildebrand elaboraram uma proposta com coautores para que o banco central e autoridades fiscais se unam para atingir a meta de inflação.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Economia