PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Discretamente, Facebook contrata especialista em direitos humanos

Joshua Brustein

28/01/2020 15h23

(Bloomberg) — Em julho do ano passado, o Facebook discretamente contratou Miranda Sissons, uma ativista de direitos humanos de 49 anos cujo trabalho anterior incluiu passagens pelo serviço diplomático australiano e pelo Centro Internacional para a Justiça Transicional. A contratação, que nunca foi formalmente anunciada, faz parte de um esforço mais amplo da empresa, depois de tentativas frustradas, para impedir que os abusos on-line no Facebook se transformem em violência no mundo real.

Defensores dos direitos humanos em lugares como Sri Lanka, Filipinas, Índia e Brasil há muito reclamam que a empresa se recusa a reconhecer evidências crescentes sobre os perigos do ódio digital. Enquanto o Facebook buscava uma expansão que mudasse o mundo, principalmente em países em desenvolvimento, nem sempre a empresa tinha equipe local ou mesmo funcionários que falassem o idioma. Em Mianmar, uma onda de ódio on-line precedeu uma campanha de violência contra a minoria rohingya do país que levou a milhares de mortes e ao deslocamento de mais de 700 mil pessoas. Um relatório independente encomendado pelo Facebook em 2018 revelou que a empresa teve responsabilidade parcial por alimentar o conflito.

Imediatamente após assumir o cargo, Sissons fez uma viagem de cinco dias ao país. "Eu estava profundamente ciente das críticas à inação do Facebook em Mianmar e profundamente ciente das lutas que a humanidade está enfrentando com o impacto das redes sociais", disse Sissons à Bloomberg News no início deste mês, em sua primeira entrevista à imprensa em seu novo cargo. "Este é um dos maiores desafios do nosso tempo."

O trabalho de Sissons faz parte de um acerto de contas mais amplo da indústria de tecnologia, que foi obrigada a reexaminar seu papel nos conflitos mundiais. Vários meses antes do Facebook contratar Sissons, o Twitter havia contratado Cynthia Wong, ex-pesquisadora da Human Rights Watch, para ser diretora de direitos humanos. Como no Facebook, o Twitter nunca anunciou a contratação.

Em discussões com mais de uma dúzia de pessoas que acompanham o trabalho do Facebook em direitos humanos, surge a imagem de uma empresa que se move rapidamente, mas, de acordo com céticos, nem sempre é eficaz. Um funcionário do Facebook, que pediu para não ser identificado, disse que as deficiências da empresa nem sempre são o resultado de ter poucas pessoas dedicadas aos direitos humanos, mas às vezes de ter muitas pessoas envolvidas trabalhando com objetivos diferentes.

Defensores de direitos humanos fora da empresa reconhecem o esforço do Facebook para contratar especialistas e dizem que a empresa se tornou muito mais receptiva. Mas temem que defensores internos como Sissons não sejam adequadamente capacitados e muitos seguram os elogios até que a empresa faça mudanças mais concretas. "Eles estão contratando pessoas que têm conhecimento, experiência e sensibilidade apropriadas para enfrentar questões de direitos humanos", disse Matthew Smith, presidente do Fortify Rights, um grupo de direitos humanos. "Até agora, porém, isso claramente não é suficiente."

A educação em direitos humanos de Sissons começou cedo. Seu pai era um historiador australiano de destaque que serviu na força de ocupação de Hiroshima após a Segunda Guerra Mundial, depois trabalhou como intérprete nos tribunais liderados pela Austrália de oficiais japoneses acusados de crimes de guerra. "Minha infância foi completamente envolvida em discussões sobre crimes de guerra, criminosos de guerra, Segunda Guerra Mundial e noções de justiça", afirmou.

Quando o Facebook começou a procurar um diretor de direitos humanos em 2018, a sabedoria convencional sobre o setor de tecnologia de alguns anos antes havia efetivamente revertido. Os assassinatos em Mianmar e em outros lugares, juntamente com as campanhas de desinformação lideradas pela Rússia nas eleições presidenciais de Donald Trump, obscureceram a opinião popular. As empresas que estavam acostumadas a serem reverenciadas foram subitamente acusadas de esmagar simultaneamente a liberdade de expressão e tolerar a manipulação ativa de suas plataformas.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Economia