PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Videoarte ainda não atrai tanto público como pintura e escultura

James Tarmy

31/01/2020 10h58

(Bloomberg) -- Em 1974, Barbara London, uma jovem curadora do Museu de Arte Moderna de Nova York, iniciou o que provavelmente foi o primeiro programa de exposição de videoarte em qualquer museu, em qualquer lugar.

Pouco a pouco, London lentamente adquiriu vídeos de artistas como Bruce Nauman, Nam June Paik e Joan Jonas. O preço na época, diz, era de US$ 250 por vídeo.

"Não havia mercado no começo", diz London em entrevista por telefone. "Essas primeiras instalações custavam quase nada e, no entanto, mesmo para um museu, com cada aquisição, o dinheiro era sempre escasso."

Hoje, a videoarte está em todas as coleções contemporâneas de museus que se prezam, e os artistas que London exibiu pela primeira vez estão firmemente arraigados no cânone histórico da arte.

Paik, que morreu em 2006, é tema de uma grande retrospectiva no museu Tate Modern, em Londres, exibida até 9 de fevereiro; Jonas teve sua própria exposição no Tate em 2018. No ano passado, Nauman foi objeto de uma ampla pesquisa que ocupou o sexto andar do MoMA, juntamente com a totalidade do MoMA PS1, enquanto que Bill Viola, outro fundador do meio, teve uma retrospectiva na Fundação Barnes, que terminou em setembro.

"A videoarte se transformou lenta e radicalmente para abranger uma ampla gama de explorações técnicas em arte", escreve London em seu novo livro Video Art: The First Fifty Years (Phaidon, US$ 35). O meio mudou "da periferia para o mainstream."

E, no entanto, apesar de tudo, praticamente em todos os sentidos, a videoarte ainda tem de se igualar a outros meios: nos museus, as exposições com muitos vídeos, embora muitas vezes bem recebidas pela crítica, não conseguem atrair tanto público quanto as exposições de pinturas, desenhos ou escultura.

Das 20 exposições mais populares de 2018 listadas pelo Art Newspaper, apenas duas - o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, no Rio de Janeiro, e o Shadow Play de Javier Téllez, no Guggenheim em Bilbao - poderiam ser consideradas videoarte. Nenhuma das 10 principais exposições que exigiam entrada paga em Londres ou Paris continha videoarte. Duas das 10 melhores em Nova York - ambas no Whitney - tinham vídeo, mas não foram especificamente dedicadas ao meio.

O mercado tem sido igualmente reticente em abraçar a videoarte. Nauman, não exclusivamente um videoartista, possivelmente foi o mais bem-sucedido. Seu vídeo de 1987, "No, No, New Museum" foi vendido por US$ 1,6 milhão na Christie's New York em 2016, enquanto o lote de maior sucesso de Viola em leilão foi vendido por mais de US$ 700 mil na Phillips, em Londres. Embora os valores sejam certamente uma grande soma para o cidadão médio, é uma gota no oceano em comparação com as dezenas de milhões pagos regularmente por pintura e escultura.

A videoarte também não foi abraçada pelo público em geral. Quase todo mundo no Ocidente tem telas em casa, na forma de TVs, tablets ou computadores, e, no entanto, poucas pessoas usam essas telas, mesmo que ocasionalmente, para videoarte.

Cinquenta anos depois, a questão é se a videoarte continuará sendo um meio secundário (ou terciário) ou se, com o tempo, chegará a rivalizar com seus irmãos mais estáticos. "O arco é obviamente fascinante", diz London. "É sobre nível de conforto. Todos estão à vontade comprando um desenho, emoldurando-o e colocando-o na parede."

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net