PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Revisão acelerada do BCE pode definir meta de inflação até julho

Paul Gordon, Piotr Skolimowski e Jana Randow

11/02/2020 13h27

(Bloomberg) -- O Banco Central Europeu estabeleceu um cronograma ambicioso para sua revisão estratégica que poderia decidir se a meta de inflação deve ser alterada até meados do ano, segundo autoridades da zona do euro.

Falando sob condição de anonimato, as autoridades descreveram uma agenda acelerada sob o comando da presidente do BCE, Christine Lagarde, que completou 100 dias no cargo no fim de semana. As equipes começaram a trabalhar, apesar de alguns processos ainda não terem sido aprovados formalmente pelo Conselho do BCE.

O intenso início da primeira revisão do BCE desde 2003 ocorreu em meio a preocupações crescentes sobre a credibilidade da instituição. Apesar de anos de medidas polêmicas, como taxas de juros negativas e compra de títulos, o BCE até agora não conseguiu restaurar a alta dos preços dentro da meta de pouco abaixo de 2%.

A revisão tem oito equipes de estudo cobrindo temas que vão desde o tópico central da inflação até desafios modernos, como mudança climática e comércio, disseram as autoridades. Os membros do Conselho do BCE participarão de seminários sobre questões específicas imediatamente antes de suas próximas duas reuniões de política monetária em março e abril, disse uma das pessoas.

Sugestões sobre a mudança da atual meta de inflação podem ser feitas na sessão seguinte em junho e uma decisão sairia em julho, disse a pessoa.

Embora nada seja certo, muitos formuladores de política querem uma decisão sobre a meta de inflação até meados do ano, disseram as autoridades. No mês passado, o presidente do banco central eslovaco, Peter Kazimir, disse que há "grande ambição" em chegar a uma meta de inflação até o fim de junho. Para a revisão geral, Lagarde indicou que os resultados poderiam ser revelados por volta de dezembro.

Os eventos de consulta externa que Lagarde prometeu como forma de chegar ao público podem ser encaixados no período entre março, quando o primeiro deles será realizado em Bruxelas, e maio.

Um porta-voz do BCE não quis comentar.

O cronograma corrido lembra o estilo de gestão da francesa em seu cargo anterior como diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional. Ela inicia as reuniões de política monetária horas antes de seu antecessor, Mario Draghi, faz apresentações curtas e desencoraja o uso de telefones nas reuniões.

A revisão estratégica também é uma oportunidade para curar as feridas causadas entre formuladores de políticas durante o mandato de Draghi. A presidente do BCE tenta unir os colegas em torno de um desejo comum: garantir que o BCE cumpra seu principal mandato de estabilidade de preços.

--Com a colaboração de Alessandro Speciale.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Paul Gordon Frankfurt, pgordon6@bloomberg.net;Piotr Skolimowski Frankfurt, pskolimowski@bloomberg.net;Jana Randow em Frankfurt, jrandow@bloomberg.net

PUBLICIDADE