PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Desigualdade persiste, apesar de expansão recorde dos EUA

Katia Dmitrieva e Alexandre Tanzi

20/02/2020 16h24

(Bloomberg) -- No 11º ano de expansão recorde, a maré crescente da economia dos Estados Unidos não elevou todos os barcos igualmente, pelo menos quando se trata de salários.O desemprego é o mais baixo em meio século, e os salários têm aumentado em todo o mundo, mas as maiores recompensas de uma economia forte ainda são distorcidas em relação a pessoas brancas, homens e pessoas com altos salários, de acordo com estudo anual do Instituto de Política Econômica.As descobertas contradizem alguns dos principais pontos de discussão do presidente dos EUA, Donald Trump. Ele costuma classificar a economia como a melhor de todos os tempos e argumenta que os grupos anteriormente deixados para trás estão se beneficiando de um "boom do colarinho azul".

Embora tenha havido melhorias graduais para muitos, algumas disparidades realmente pioraram ao longo do tempo, como a diferença salarial entre negros e brancos, que é maior agora do que em 2000. Juntamente com os mercados de trabalho restritos, a legislação sobre o salário mínimo em nível local ajudou a obter alguns dos ganhos para os que recebem menos, mostram os dados do IPE.

Nas últimas duas décadas - abrangendo duas expansões e uma recessão -, o crescimento dos salários foi mais rápido para trabalhadores mais bem pagos. Isso coloca em perspectiva os dados dos relatórios sobre o mercado de trabalho do governo, que em alguns meses recentes mostraram ganhos para a maioria dos trabalhadores, superando os da classe gerencial.

Trabalhadores com algum nível de formação universitária superior voltaram ao nível salarial anterior a 2008 apenas no ano passado. Homens com diploma universitário padrão ainda recebem mais do que as mulheres com diploma avançado, e trabalhadores negros com alguma formação universitária ainda recebem menos do que em 2000. No entanto, a maioria dos trabalhadores negros recebeu maior aumento salarial entre 2018 e 2019 do que em qualquer ano desde 2000, segundo relatório.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Katia Dmitrieva Washington, edmitrieva1@bloomberg.net;Alexandre Tanzi Washington, atanzi@bloomberg.net

PUBLICIDADE