PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Estoques de soja dos EUA rumo a níveis pré-guerra comercial

Isis Almeida e Megan Durisin

21/02/2020 13h52

(Bloomberg) -- A trégua comercial do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com a China deve reduzir os estoques de soja norte-americanos para o nível mais baixo desde o início da guerra comercial.

As reservas devem cair 25% na próxima temporada, para o menor patamar desde 2016-17, segundo projeções do Departamento de Agricultura dos EUA divulgadas durante o Outlook Forum em Arlington, Virgínia. O aumento das exportações, especialmente para a China, maior importadora, será outro fator que contribuirá para a redução dos estoques, que também devem cair com a maior demanda doméstica.

"A crescente demanda de importação global, principalmente para a China, e a recuperação da participação de mercado dos EUA sustentarão o aumento das exportações de soja após um declínio acentuado nos últimos dois anos", afirmou o USDA em relatório na sexta-feira.

A projeção é de queda dos estoques para 320 milhões de bushels no final da temporada 2020-21, o que surpreendeu analistas, que esperavam um número entre 328 milhões e 825 milhões, segundo pesquisa da Bloomberg.

No entanto, os estoques globais "são muito maiores do que há cinco ou dez anos", disse Craig Turner, corretor sênior de commodities da Daniels Trading, em Chicago. "Se a China comprar muita soja dos EUA e empurrar nossos estoques finais para 300 milhões, ainda haverá muita soja disponível na América do Sul."

As exportações de soja dos EUA devem subir 12% na próxima temporada, enquanto o consumo doméstico também pode aumentar, segundo o USDA. A previsão é de que o esmagamento de soja atinja recorde de 2,1 bilhões de bushels, impulsionado pelo maior uso de farelo de soja, um ingrediente-chave para ração.

"As margens de esmagamento da soja permanecem relativamente fortes", afirmou o USDA.

--Com a colaboração de Dominic Carey.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Isis Almeida em Chicago, ialmeida3@bloomberg.net;Megan Durisin em Chicago, mdurisin1@bloomberg.net

Economia