PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Investidores de ouro apostam em retorno de cenário de 2008

Elena Mazneva e Ranjeetha Pakiam

24/03/2020 15h05

(Bloomberg) -- A reputação do ouro como refúgio foi seriamente arranhada quando investidores venderam o metal precioso para levantar recursos e derrubaram os preços em meio ao caos no mercado global.

A tendência já é conhecida porque esse foi o roteiro do ouro em grande parte deste mês. Mas isso é apenas metade da resposta. É também um cenário que marcou a crise financeira global de 2008, pouco antes de o ouro iniciar um rali de vários anos que culminou no preço recorde atingido em 2011 e ainda em vigor.

Para muitos analistas e investidores, os paralelos com 2008 sugerem que há uma boa chance de que o ouro mostre forte recuperação após a queda deste mês.

"Se a trajetória de preços for semelhante a 2008, podemos ver os benefícios do metal precioso ressurgirem" diante da continuidade do estresse do mercado, disse Catherine Doyle, especialista em investimentos da equipe de retorno real da Newton Investment Management. "Continuamos a ter uma exposição significativa por esse mesmo motivo."

O ouro à vista subiu 1,4% na terça-feira depois que o Federal Reserve anunciou uma segunda onda de medidas para apoiar a economia americana. Os preços ainda acumulam queda de cerca de 7,5% em relação ao pico de 9 de março, em meio às oscilações bruscas de preços. No final de 2008, o ouro perdeu mais de 20% ao longo de um mês, chegando a quase US$ 700 em novembro, antes do retorno das compras do metal.

Embora haja preocupação de que o impacto sobre o coronavírus na economia global possa ser pior do que a última crise financeira global, muitos também esperam uma resposta política maior.

Outra semelhança com 2008 é que, embora o ouro tenha caído nas últimas semanas, a queda ficou muito aquém das baixas nos mercados de ações e de outras commodities, de modo que seu poder de compra relativo aumentou, disse Matthew McLennan, chefe da equipe de valor global da First Eagle Investment Management, que administra cerca de US$ 101 bilhões em ativos.

©2020 Bloomberg L.P.