PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Fluxo global de remessas pode encolher US$ 100 bi, diz Citi

Abhishek Vishnoi

16/04/2020 12h15

(Bloomberg) -- Os fluxos globais de remessas podem cair em até US$ 100 bilhões neste ano no pior cenário devido à recessão provocada pela pandemia de coronavírus, que eliminaria uma fonte essencial de apoio às famílias nos países em desenvolvimento, segundo o Citigroup.

A retração econômica causada pelo coronavírus e a guerra dos preços do petróleo devem reduzir os fluxos de remessas em US$ 21 bilhões para US$ 28 bilhões, mas o número pode ser muito maior se as políticas monetárias e fiscais para combater o impacto da pandemia não funcionarem, disseram economistas do banco, como Dana Peterson, em relatório na quarta-feira.

"As remessas servem como poderosos estabilizadores automáticos para economias de baixa e média renda", escreveram os economistas. A redução desse tipo de apoio às pessoas de baixa renda pode ameaçar o "delicado equilíbrio entre famílias e governos".

As remessas globais totalizaram US$ 706 bilhões no ano passado, e a queda desse valor pode colocar os meios de subsistência de milhões em risco, causar crises humanitárias em economias de baixa renda e sujeitar mercados emergentes de menor porte a choques externos, rebaixamentos da nota de crédito e possivelmente inadimplência da dívida soberana, alertou o Citigroup. Os analistas basearam os cálculos num modelo desenvolvido pela Oxford Economics.

Pequenas economias no sudeste da Ásia, como Filipinas e Vietnã, estão entre as "mais vulneráveis" a um choque de remessas, segundo o relatório, enquanto Tajiquistão, Ucrânia e Sri Lanka correm risco elevado de default da dívida soberana.

Com a queda dos fluxos de remessas para mercados emergentes, governos precisarão compensar a lacuna por meio de medidas de estímulo, segundo os economistas.

©2020 Bloomberg L.P.

PUBLICIDADE