PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Fed deve manter juros perto de zero até 2023, dizem economistas

Christopher Condon e Sarina Yoo

24/04/2020 09h31

(Bloomberg) -- O Federal Reserve deve manter as taxas de juros próximas a zero por três anos ou mais, e o balanço patrimonial pode ultrapassar US$ 10 trilhões diante dos estímulos para reativar a economia dos EUA afetada pela recessão, segundo pesquisa da Bloomberg com economistas.

Pouco mais da metade dos 31 participantes prevê que a taxa básica do Fed, agora na faixa de 0-0,25%, não deve subir até pelo menos 2023, de acordo com levantamento realizado entre 20 e 23 de abril. Outros 22% acreditam que o Fed não vai elevar os juros antes de 2022.

Sobre qual seria o pico do balanço do Fed, a estimativa mediana ficou em US$ 10 trilhões e, a média, em US$ 10,9 trilhões.

O balanço já somava US$ 6,57 trilhões em 22 de abril, impulsionado por US$ 1,64 trilhão em compras de títulos do Tesouro e outros garantidos por hipotecas (MBS) realizadas desde 11 de março para ajudar a acalmar os mercados de crédito que praticamente congelaram no mês passado. O Fed também está prestes a lançar uma série de linhas de crédito - com capacidade de emprestar outros trilhões - destinadas a ajudar direta e indiretamente empresas, estados e cidades.

Nenhuma mudança

Os entrevistados têm expectativas limitadas quanto a mudanças significativas quando o Comitê Federal de Mercado Aberto realizar sua próxima reunião de política monetária em 28 e 29 de abril. A grande maioria, 90% e 87%, disse não esperar que as autoridades monetárias ofereçam previsões sobre quanto tempo pretendem manter os juros perto de zero ou sobre o ritmo futuro de compras de ativos em larga escala.

O Fed "enfatizará que é capaz e está preparado para tomar mais medidas conforme necessário, mas não prevemos novas medidas na próxima semana", disse Kathleen Bostjancic, economista-chefe financeira da Oxford Economics, em comentários na pesquisa. "Também não esperamos que forneçam mais estimativas do que são capazes devido às grandes incertezas que cercam as perspectivas."

Em 15 de março, o FOMC disse que manterá os juros baixos até que a economia tenha superado os eventos recentes e esteja a caminho de atingir suas metas de máximo emprego e estabilidade de preços. Em 23 de março, autoridades anunciaram que comprariam Treasuries e MBS "nos montantes necessários para apoiar o bom funcionamento dos mercados".

Os entrevistados classificaram as principais ameaças à recuperação econômica pós-vírus. A número 1 seria uma suspensão muito rápida das restrições à mobilidade social e à atividade econômica, seguida pela probabilidade de muitos americanos não retomarem os hábitos de costume, mesmo após o fim dessas restrições.

©2020 Bloomberg L.P.