PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Clientes do BofA preocupados com supervalorização das bolsas

Ksenia Galouchko

16/06/2020 12h48

(Bloomberg) -- Investidores despejam recursos em um mercado acionário que parece o mais supervalorizado em décadas, enquanto um dos ralis menos queridos da história preocupa profissionais de Wall Street.

Essa é a conclusão tirada da mais recente pesquisa de sete dias do Bank of America, encerrada em 11 de junho - justo quando o S&P 500 registrou a pior queda desde a turbulência de março. A pesquisa indicou que gestores de fundos reduziram posições em dinheiro no maior ritmo desde agosto de 2009, para 4,7%, com o objetivo de usar reservas para acompanhar o rali. Com índices acionários de referência globais em alta de 30% em relação às mínimas deste ano, hedge funds aumentaram a exposição em renda variável para 52%, o nível mais alto desde 2018, segundo a pesquisa.

Uma impressionante parcela de 78% dos investidores consultados, a maior porcentagem desde que a pesquisa foi iniciada em 1998, acredita que o mercado acionário está supervalorizado; 53% classificam o rali como baixista. Como as quarentenas terminaram em algumas das principais economias, investidores aumentaram apostas de crescimento, mas disseram que não esperam que o setor de manufatura global mostre expansão antes de outubro. Ao mesmo tempo, apenas 18% dos "otimistas mal-humorados" esperam uma recuperação econômica acentuada em forma de V. Uma parcela de 64% espera uma retomada em forma de U ou W, ou mais gradual, de acordo com o BofA.

A pesquisa mostra aumento das expectativas de crescimento, níveis de caixa em queda e maior apetite por risco, disseram estrategistas liderados por Michael Hartnett em relatório publicado na terça-feira. "Wall Street passou do 'pico do pessimismo'", disseram, mas o otimismo de junho é "frágil".

A pesquisa do BofA chega em um momento de incerteza elevada para muitos players do mercado após a queda do índice S&P 500 na semana passada, em meio às preocupações com uma segunda onda de infecções pelo Covid-19 e recuperação econômica que não será tão rápida quanto esperado.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia