PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Professor de Harvard põe em dúvida teoria sobre bônus bancários

Frances Schwartzkopff

13/07/2020 11h53

(Bloomberg) -- Um banco sueco pode estar prestes a mudar a percepção de como os bônus afetam o desempenho.

Dennis Campbell, professor da Harvard Business School, estuda como as empresas projetam estratégias de remuneração. Seu trabalho o levou ao maior banco da Suécia, Svenska Handelsbanken, que ele diz usar um modelo que levanta sérias questões sobre o quanto os bônus geram resultados.

O Handelsbanken chamou a atenção de Campbell cerca de cinco anos atrás. Desde então, ele escreveu dois estudos de caso sobre o banco de Estocolmo e suas conclusões desafiam a sabedoria convencional.

Campbell diz que os funcionários do Handelsbanken eram muito motivados, apesar da ausência de bônus para todos, exceto um pequeno grupo. O que o impressionou foi 1) quão plana é a hierarquia corporativa da Handelsbanken e 2) quão importantes são os gerentes de filial.

"O Handelsbanken apenas se destacou como um exemplo realmente interessante porque eles têm níveis realmente incomuns de capacitação", disse Campbell em entrevista. Além do mais, ele diz que o banco sueco "teve resultados de desempenho realmente incomuns que normalmente não combinam com esse nível de descentralização".

O debate sobre bônus

Os bônus bancários tornaram-se assunto cada vez mais espinhoso desde o colapso financeiro global de 2008. Mais recentemente, governos e órgãos reguladores pressionaram o setor a restringir salários e usar o dinheiro excedente para empréstimos a empresas atingidas pela crise de Covid-19. Muitos bancos reclamaram que essas restrições dificultam a atração do talento certo. Mas é difícil provar a ligação entre bônus e desempenho.

Campbell diz que o Handelsbanken se destacou em parte por causa de sua capacidade de manter baixos os prejuízos. Ele atribui isso a uma ampla rede de agências nas quais a equipe local conhece seus clientes melhor do que a maioria da indústria. (Coincidentemente, o Handelsbanken colocou menos ênfase na automatização de muitos serviços voltados para o cliente do que alguns de seus pares.)

"Normalmente pensamos que o nível de descentralização que eles têm ... levaria a coisas como maiores perdas de empréstimos, menos eficiência em sua estrutura de custos", disse Campbell. "Mas aqui está este banco que opera dessa maneira desde a década de 1970 e teve retornos sobre o patrimônio mais elevados do que seus pares, não apenas na média ao longo desses anos, mas literalmente a cada ano, e também teve uma fração das perdas com empréstimos que seus concorrentes tiveram em qualquer ano, inclusive nos anos em que houve grandes crises econômicas."

Cerca de 1% dos funcionários do Handelsbanken, principalmente em bancos de investimento, recebem algum tipo de remuneração variável, de acordo com Jörgen Olander, chefe de remuneração e benefícios. Mas é oferecido "com muita cautela" e não a funcionários que possam ter um "impacto material" no perfil de risco do banco, disse ele. No primeiro trimestre, o Handelsbanken registrou prejuízos menores do que qualquer outro grande banco nórdico.

Distribuição de lucros

O Handelsbanken oferece um plano de participação nos lucros - com a Fundação Oktogonen, que também detém uma participação de 10% na empresa -, mas os funcionários precisam esperar até que completem 60 anos para receber o dinheiro. Isso reduz o risco de perseguir ganhos de curto prazo sem considerar os resultados de longo prazo, disse Campbell.

O principal argumento, de acordo com Campbell, é que o Handelsbanken conseguiu criar "uma organização cultural muito forte", que, se realizada adequadamente, é uma maneira mais potente de gerar lucros a longo prazo do que um programa de bônus.

"As pessoas são naturalmente motivadas", disse ele. "Isso é muito diferente da suposição que muitos líderes fazem."

©2020 Bloomberg L.P.