PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Mercado anda em corda bamba antes de fim de estímulo nos EUA

Vivien Lou Chen, Matthew Boesler e Erik Wasson

15/07/2020 13h49

(Bloomberg) -- A impressionante recuperação dos mercados acionários dos Estados Unidos em relação ao auge da crise de Covid-19 em março enfrentará um novo teste nas próximas semanas, quando a economia americana deve retirar um importante estímulo.

O benefício médio para americanos desempregados deve ser reduzido em mais de 60% no fim de julho, afetando a renda de milhões de trabalhadores demitidos - muitos dos quais podem não retornar ao emprego devido às novas paralisações que agora atingem segmentos da economia da Califórnia à Flórida.

As ações têm se mostrado resistentes a muitos obstáculos ultimamente, desde o aumento do número de americanos infectados com coronavírus até a forte escalada das tensões EUA-China. O mercado de títulos, mais sensível ao risco, enfrentou crises de ansiedade que repetidamente pressionaram os rendimentos dos Treasuries para mínimas históricas.

Agora, os dois mercados enfrentam um abismo fiscal iminente com o início da disputa política entre republicanos e democratas sobre um pacote que deverá ultrapassar US$ 1 trilhão.

"Estamos entrando em uma segunda fase de demissões que serão permanentes ou a longo prazo, ao mesmo tempo em que os benefícios deverão desaparecer", afirmou Thomas Graff, gestor de recursos da Brown Advisory, em Baltimore, que administra US$ 80 bilhões. "Esse é um grande risco para os mercados e para recuperação econômica nascente."

O pacote legislativo nem de longe é tão crucial para os mercados como o resgate financeiro de US$ 700 bilhões inicialmente rejeitado pelo Congresso no pico da Grande Recessão em setembro de 2008 - um erro que fez o S&P 500 cair quase 9% em um dia. Mas a probabilidade de aprovação de outro projeto de lei de estímulo ajudou investidores a enfrentarem outra temporada difícil de balanços, e o rali pode se mostrar vulnerável se a aposta tiver sido errada.

Com o S&P 500 quase 43% acima da mínima de 23 de março, há muita expectativa de uma recuperação econômica nos EUA no segundo semestre que pode ser ameaçada por um impasse político sobre o estímulo.

A incerteza já pode ser observada no mercado de títulos, onde a curva de juros se achatou, e o spread dos títulos de maior prazo sobre os de curto prazo encolheu no mês passado.

©2020 Bloomberg L.P.