PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Rastreadores de elite ajudam a conter surtos na Coreia do Sul

Heesu Lee

27/07/2020 16h41

(Bloomberg) -- Em maio, quando um surto de coronavírus atingiu boates em Seul, capital da Coreia do Sul, autoridades de saúde rapidamente lançaram sua versão dos Navy Seals: equipes de elite de epidemiologistas, especialistas em bancos de dados e técnicos de laboratório.

Uma investigação mostrou que o vírus havia saltado de um visitante de uma boate para um estudante, depois para um motorista de táxi e, em seguida, de forma alarmante, para um funcionário de um depósito onde trabalhava com 4 mil pessoas.

Milhares de colegas de trabalho do funcionário, familiares e contatos foram identificados e 9 mil pessoas foram testadas. Duas semanas depois, o surto no depósito foi praticamente extinto e as infecções foram reduzidas a 152 casos.

O trabalho das chamadas Equipes de Resposta Imediata oferece uma visão de como a Coreia do Sul - que já foi o segundo país mais atingido pelo coronavírus - conseguiu conter a propagação do vírus em grande parte sem as paralisações que atrapalharam o dia a dia de muitas pessoas ao redor do mundo. Quando cidades como Los Angeles, Melbourne e Tóquio enfrentam novas ondas, o manual da Coreia do Sul oferece um dos projetos mais bem-sucedidos até agora para conter a Covid-19, que já matou mais de 600 mil pessoas no mundo todo.

A contagem de novos casos no país asiático - que foi pioneiro na estratégia de blitz de testes - nunca caiu para zero, mas o número de novas infecções diárias variou de 30 a 60 por dois meses depois de atingir mais de 800 em fevereiro. Em Los Angeles, por exemplo, foram 2.014 novos casos somente na quinta-feira.

"Entramos em ação quando há uma chance de transmissão em larga escala e nosso trabalho principal é encontrar os elos de conexão entre os casos e evitar uma crise", disse Kwon Donghyok, vice-diretor científico dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças do país, que supervisiona os esquadrões de investigação. "Encontrar contatos em potencial e investigar a causa da infecção é a espinha dorsal do que fazemos."

O país agora possui uma das taxas mais baixas de infecções de origem desconhecida, em cerca de 8%, em comparação com mais de 50% em outros países com novas ondas de vírus. Os surtos diminuíram de uma média semanal de cerca de uma dúzia para menos de seis nesta semana.

©2020 Bloomberg L.P.