PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

A maior fortuna familiar da Suíça prospera há 124 anos

Tom Metcalf

06/08/2020 19h26

(Bloomberg) -- Com duas manobras hábeis, uma nova geração da família Oeri-Hoffmann marcou sua crescente influência na dinastia mais rica da Suíça.

Primeiro, sete membros da quinta geração se juntaram no ano passado ao grupo de acionistas do clã, que administra uma participação de US$ 25 bilhões na gigante farmacêutica Roche Holding AG. Então, em março, outro membro dessa geração, Joerg Duschmale, substituiu seu tio no conselho da farmacêutica.

A troca foi planejada meticulosamente. A ascensão de Duschmale a uma diretoria foi sinalizada por quase dois anos e, em uma rara entrevista pública, ele destacou o compromisso da família com a Roche, a base de sua fortuna desde 1896.

"É importante continuar a história de sucesso da família e passá-la para a próxima geração", disse ele à revista Bilanz, da Suíça. "Estamos mostrando que a família continua apoiando a empresa."

A fortuna da família, de US$ 39 bilhões, cresceu quase um quarto nos últimos 12 meses, de acordo com o ranking anual de riqueza familiar da Bloomberg. As vendas dos testes de Covid-19 da Roche ajudaram a aumentar o valor das ações em 2020.

O que impressiona não é apenas o tamanho da riqueza, mas a longevidade da fortuna familiar. Os Oeri-Hoffmanns agora alcançaram a quinta geração e ficaram mais ricos do que nunca.

Isso não é tarefa fácil. Menos de uma em cada cinco empresas de controle familiar permanece nas mãos da família pela terceira geração, de acordo com Balz Hoesly, sócio da MME, com sede em Zurique, e especialista em herança internacional, planejamento imobiliário e sucessão corporativa.

"Bastam apenas uns poucos membros insatisfeitos para causar problemas reais", disse ele. Para os super-ricos, administrar mudanças geracionais é uma preocupação constante.

Aqui estão algumas razões pelas quais os Oeri-Hoffmann foram capazes de navegar bem nessa questão complicada:

Missão

Supervisionar a Roche se tornou parte do DNA da família.

As ações em mãos dos membros da família dão a eles o controle de voto sobre a farmacêutica, apesar de possuírem apenas cerca de 9% da companhia. A família enfatiza consistentemente seu papel como administradora da empresa.

Essa missão comum ainda exerce uma atração até mesmo para os membros da família fora do núcleo de votação. Maja Oeri, bisneta do fundador da empresa Fritz Hoffmann-La Roche, transferiu suas ações, em 2011, para fora do bloco de votação da família. Mas ela não vendeu nenhuma de suas 8 milhões de ações desde então, de acordo com os registros.

Liquidez

A estabilidade dos acionistas Hoffmann e Oeri é ajudada pelos enormes dividendos que eles recebem e que totalizaram mais de US$ 700 milhões em 2020. É um ganho anual que ajuda a evitar as vendas das ações, o que diluiria a participação da família.

Eles também são ajudados pelo número relativamente pequeno de membros da família que dividem os dividendos. Este grupo de acionistas é composto por 15 indivíduos, em comparação com as dezenas, às vezes centenas, de herdeiros em outros clãs.

Moderação

A maioria dos membros da família parece ter pouco tempo para extravagâncias. Nada de festas pomposas ou superiates. Duschmale vai de bicicleta para o trabalho e seu maior luxo são tênis de caminhada, segundo o perfil traçado pela revista Bilanz. O tio Andreas Oeri é um ortopedista que manteve sua prática ao longo de um quarto de século no conselho da Roche. A tia Beatrice Oeri - que vendeu sua participação de volta ao grupo de acionistas em 2009 - administra um clube de jazz na Basileia.

Impostos

Evitar uma fatura tributária pesada quando os ativos são transferidos entre gerações também ajuda.

A Suíça não tem imposto federal sobre herança. O cantão da Basileia, onde ficam a Roche e muitos membros da família, não detém participação acionária declarada nos negócios da família.

Discrição

Manter um perfil discreto serviu bem à dinastia suíça, permitindo que seus membros evitassem as consequências públicas que dividiram outros clãs, mesmo estando entre as figuras mais influentes do mundo cultural e de terem construído silenciosamente famosas coleções de arte, além de apoiarem causas ambientais e educacionais.

"Eles agem de forma muito discreta", disse Hoesly. "São vistos como uma família pé no chão."

Até agora, a quinta geração exibe uma disposição semelhante. Duschmale - assim como o restante do grupo de acionistas - não quis comentar.

©2020 Bloomberg L.P.