Greve de caminhoneiros na Colômbia termina após 45 dias de protestos

Bogotá, 22 jul (EFE).- O governo nacional e representantes do setor de transporte chegaram nesta sexta-feira a um acordo para por fim à greve de caminhoneiros que durante 45 dias manteve bloqueadas várias estradas da Colômbia, gerou desabastecimento e deixou um morto e vários feridos.

"A partir deste momento termina a imobilização de transporte de carga promovida pelas quatro organizações da Cruzada Nacional pela Dignidade Caminhoneira", informou o ministro de Transporte, Jorge Eduardo Rojas, em entrevista coletiva.

No acordo, assinado na madrugada desta sexta-feira, o ministro esclareceu que "se mantém o regime de liberdade vigiada, mas se atualizará o custo do transporte de carga", com o qual os caminhoneiros poderão pactuar os preços dentro de um marco de referência vigiado.

"Permanece o esquema um por um para a renovação do parque automotor, com o objetivo de reduzir a sobreoferta e o governo estabelecerá linhas que protejam o pequeno transportador", diz o texto.

O diretor-executivo da Associação de Transportadores de Carga (ATC), Luis Orlando Ramírez, explicou que "o acordo tem uma filosofia estrutural que avalia a atividade caminhoneira na Colômbia".

"Com o protesto, quisemos deixar claras as necessidades dos transportadores e dizer à opinião pública que avaliem seus caminhoneiros", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos