Bolsas

Câmbio

Renda familiar cresce pela primeira vez nos EUA desde a crise de 2007

Alfonso Fernández

Washington, 13 set (EFE).- As rendas familiares aumentaram em 2015 nos Estados Unidos pela primeira vez desde o começo da crise econômica, em 2007, informou nesta terça-feira (13) o Escritório do Censo.

A receita das famílias cresceu 5,2% em 2015, US$ 2.800 ajustados pela inflação, até alcançar US$ 56,5 mil anuais. Trata-se da primeira alta em oito anos, após a aguda crise conhecida como a Grande Recessão, mas a renda dos lares ainda se encontra 1,6% abaixo dos níveis de 2007.

Deste modo, a melhoria nos dados macroeconômicos, especialmente no que se refere ao emprego, parece começar a refletir nos bolsos dos norte-americanos, após vários anos seguidos de redução ou estagnação.

A taxa de desemprego nos EUA fechou agosto em 4,9%, próxima aos níveis considerados de pleno emprego pelos economistas, após ultrapassar 10% em plena crise em 2010.

A alta aconteceu de maneira transversal em todos os grupos raciais, embora com disparidades, já que os lares dos latinos viram suas receitas crescer em 1,6%, os dos brancos em 4,4% e os dos negros em 4,1%.

Rapidamente, a Casa Branca reagiu a estes novos dados, e os interpretou como uma prova do "destacável progresso que as famílias americanas fizeram à medida que a recuperação continua se reforçando", conforme declarou Jason Furman, diretor do Conselho de Assessores Econômicos do Presidente.

Furman ressaltou que o "sólido crescimento no emprego e a robusta expansão nos salários reais sugere que as receita continuarão se elevando em 2016, e avançando nos progressos mostrados hoje".

Por sua vez, a taxa oficial de pobreza do país ficou em 13,5%, o que representa 43,1 milhões de pessoas, 3,5 milhões a menos que no ano anterior.

O Escritório do Censo considera a linha de pobreza em um nível de renda menor a US$ 24.200 ao ano para uma família de quatro pessoas.

Este descenso equivale a uma diminuição de 1,2 ponto na taxa de pobreza de 2014 a 2015, o que representa a maior queda percentual anual desde 1999.

A pobreza entre a comunidade latina caiu em um milhão de pessoas, até 12,1 milhões, o que representa 21,4% contra 23,6% de 2014.

Essa taxa só é superada pela dos cidadãos negros que, embora tenham visto os níveis caírem de 10,8 milhões a 10 milhões, percentualmente ainda é superior, já que passou de 26,2% em 2014 a 24,1% de 2015.

Para FHC, há risco de um demagogo 'estilo Trump' surgir em 2018

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos